in

Consumo de carne na Europa diminuirá na próxima década

As metas de sustentabilidade e as mudanças nas demandas dos consumidores afetarão os mercados de carne e laticínios da UE na próxima década, de acordo com o Relatório de Perspectivas Agricolas da União Europeia para 2020-30, publicado pela Comissão Europeia.

Especificamente, o relatório prevê que as preocupações com a sustentabilidade impulsionarão os mercados de carne da UE na próxima década, favorecendo um menor consumo per capita, sistemas de produção mais eficientes com menos animais e menores exportações de animais vivos. No geral, o consumo de carne per capita na UE deve diminuir 1,1 kg, atingindo 67,6 kg em 2030.

Após um declínio no rebanho bovino da UE, a produção de carne bovina deve continuar a diminuir. Dentro da UE, o consumo de carne bovina está projetado para diminuir em 0,9 kg per capita, enquanto as perspectivas moderadas de exportação para mercado especializados podem oferecer algumas oportunidades.

Assim, estima-se que a produção de carne de suíno da UE diminua em 1 milhão de toneladas (-4,6%) entre 2020 e 2030. O impacto da peste suína africana na Ásia nos mercados de carne da UE será mitigado lentamente e em 2030, a grande saída de carne suína para a China deverá diminuir. No entanto, a UE continuará a ser um fornecedor líder de carne suína no mercado mundial.

Quanto à produção e consumo de carne ovina e caprina na UE, espera-se que permaneça estável, enquanto as exportações permanecerão baixas, já que a Austrália e a Nova Zelândia manterão as suas posições dominantes no mercado mundial.

Por sua vez, as aves são a única categoria de carne cuja produção expandiu durante a pandemia de Covid-19 e a única que deve crescer entre 2020 e 2030. O consumo de carne de aves na UE atinge 24,6 quilos per capita em 2030 (+1,2 quilos em comparação com 2020), pois os consumidores consideram as aves um produto barato, saudável e sustentável. A demanda também deve aumentar em vários destinos de exportação importantes.

Lacticínios

No que diz respeito ao mercado de lacticínios, o relatório prevê que a produção de leite da UE crescerá a uma taxa moderada de 0,6% ao ano entre 2020 e 2030, a um ritmo mais lento do que no passado.

Estima-se que a produção atenda às metas de sustentabilidade, com uma maior expectativa de vida dos animais, um maior sequestro de carbono e uma gestão mais eficiente de dejetos entre os fatores destinados a reduzir as emissões de gases de efeito estufa por kg de leite produzido até 2030. As mudanças nas exigências dos consumidores também devem oferecer oportunidades para produtos lácteos produzidos em sistemas de produção não convencionais, como à base de pastos, alimentados sem transgênicos, orgânicos.

No entanto, espera-se que a UE continue a ser o maior exportador de lacticínios do mundo, já que o crescimento da população e dos rendimentos podem aumentar a demanda global por produtos lacticínios, apesar da crescente autossuficiência em todo o mundo.

Espera-se que o processamento de queijo seja o mais beneficiado com o leite adicional produzido, impulsionado pela demanda doméstica e global: a UE deve ser responsável por 49% das exportações mundiais de queijo em 2030. Após preços historicamente altos na manteiga em 2017-2018, o mercado de manteiga estabilizará entre 2020 e 2030, apoiado pelo aumento das vendas no retalho na UE e pela demanda de exportação estável.

Finalmente, o relatório estima que o consumo per capita de iogurte e natas permaneça estável, o primeiro enfrentando uma concorrência crescente de produtos lácteos alternativos que estão a ganhar popularidade (por exemplo, skyr), enquanto se prevê que o consumo de natas decresça a um ritmo mais lento do que nos últimos dez anos (-0,7%), graças à segmentação dos sistemas de produção.

Publicidade

Natal

Quais são as preocupações ambientais dos portugueses no Natal?

Supermercados

Supermercados britânicos alertam que ficarão sem vegetais se o bloqueio continuar