in

Mercado mundial de wearables com crescimento previsto de 8,2%

O mercado mundial de wearables deverá alcançar os 124,9 milhões de unidades este ano, mais 8,2% que em 2017, de acordo com a IDC.

O crescimento é ligeiramente inferior ao experimentado no ano passado (10,3%), perspetivando-se um regresso às taxas de dois dígitos no período 2019-2022. “A mudança das preferências dos consumidores para os smartwatches atingiu o apogeu nos últimos trimestres e esperamos que continue nos próximos anos”, afirma Jitesh Ubrani, da equipa IDC Mobile Device Trackers. “Enquanto a Apple irá, sem dúvida, continuar a liderar esta categoria, o que chama a atenção é como a Google e os seus parceiros irão avançar”.

Os smartwatches irão evoluir para abarcar várias características e funcionalidades. A saúde e a forma física proporcionaram um bom começo, mas a evolução será ditada pela integração com outros dispositivos e sistemas da Internet das Coisas.

A IDC também espera que os acessórios ganhem impulso à medida que várias marcas começam a capitalizar o crescente interesse nos assistentes digitais. Assim como a roupa com sensores integrados, que deverá crescer e duplicar a sua quota em 2022.

Os smartwatches irão ganhar a maior quota de mercado nos próximos quatro anos, representando 44,6% de todos os wearables em 2022. A decisão da Apple de incluir a conectividade celular no seu modelo mais recente ajudou a atrair a atenção para a categoria das empresas de telecomunicações e a aceitação do consumidor.

Os relógios básicos, principalmente relógios desportivos, para crianças e híbridos, deverão crescer 7,4% entre 2018 e 2022, mas a sua quota irá reduzir dos 23,7% de 2018 para 19,7% em 2022.

Já o mercado das pulseiras irá diminuir 6,6% em 2018, à medida que a procura por estes dispositivos simples desacelera e marcas como a Fitbit e a Garmin procurar o crescimento dos relógios inteligentes.

Publicidade

Publicidade

Nestlé e XPO Logistics criam armazém do futuro

Novo regulamento para a produção biológica