in

Máscaras FFP2 são as mais procuradas

Com o fim do estado de emergência e o avanço do processo de vacinação, surgem muitas dúvidas sobre a utilização de máscaras, nos próximos meses. Assim, a Mifarma by Atida Plus, plataforma de saúde online, realizou uma análise sobre a forma como este produto tem sido consumido desde o início da pandemia, em 2020.

 

Máscaras FFP2 são as mais procuradas

Apesar das máscaras não terem sido obrigatórias desde o início do estado de emergência, e de inicialmente se terem utilizado muito outros tipos (como as cirúrgicas), as máscaras FFP2 têm sido as mais procuradas durante toda a pandemia.

Desde março até ao início de junho de 2020, as máscaras de proteção individual mais vendidas foram as máscaras cirúrgicas; contudo, desde então, as máscaras FFP2 ultrapassaram largamente todos os restantes tipos.

Mais concretamente, a máscara filtrante FFP2, aprovada conforme o regulamentado pela norma UE 2016/425, tem sido a mais vendida desde junho de 2020. Os dados da plataforma refletem que as mulheres (60%) são quem mais procurou este produto, desde o início do estado de emergência.

 

Férias de verão

Outro dos aspetos que a empresa analisou foram os momentos de maior procura de máscaras. De acordo com os dados internos da plataforma, desde abril de 2020 foram detetados três picos de procura muito distintos: o primeiro deu-se no início das férias de verão de 2020 (especificamente, no mês de julho), tendência que continuou durante toda essa estação.

Depois, em setembro, coincidindo com o regresso à rotina (escolas, escritórios, etc.), as vendas voltaram a aumentar (a 23 de setembro registou-se o número máximo de vendas acumuladas, com um total de 75 mil máscaras).

Por último, o terceiro grande pico ocorreu já este ano, em 2021, com o início da vaga que se deu após a época natalícia. Mais especificamente, o dia 28 de janeiro que foi aquele que registou o maior número de máscaras vendidas (um número recorde de mais de 155 mil unidades vendidas).

 

Qual a máscara que mais protege?

Desde que o estado de emergência começou, em 2020, e especialmente durante os primeiros meses da pandemia, recebemos uma média de 30 questões diárias relacionadas com as máscaras, sendo que agosto e setembro foram os meses mais destacados neste aspeto. Os principais canais de consulta foram as nossas redes sociais e o blog da Mifarma by Atida Plus. Ao longo deste tempo, recebemos todo o tipo de perguntas, mas, sem dúvida, as mais comuns foram sobre o tipo de máscara que melhor protege e aquelas que são mais adequadas para crianças”, esclarece Ernesto Martín, Managing Director, Southern Europe da Atida. “Na Mifarma by Atida Plus queremos apoiar os nossos clientes nesta nova etapa que começa após o fim do estado de emergência e na qual a sociedade não deve relaxar; para ultrapassar esta situação, é essencial continuar a usar máscara nos próximos meses. Por isso, queremos que os nossos clientes continuem a sentir-se protegidos. Um exemplo disso é a nossa última campanha, através da qual ofereceremos máscaras FFP2 em qualquer compra que recebermos na plataforma, até ao final de maio. A máscara continuará a acompanhar-nos nos próximos meses e queremos facilitar a situação para aqueles que confiam na Mifarma by Atida Plus”.

Publicidade

C&A

C&A assinala marco na indústria têxtil com o tecido mais sustentável do mundo

Auchan

Auchan abre loja de proximidade junto à Maternidade Alfredo da Costa