in ,

Maioria dos retalhistas está pronto para investir em IoT

Com a indústria de retalho a continuar a sua transformação digital, as cadeias precisam de uma nova fórmula para melhor atender os seus compradores. Para alcançar esse objetivo, 70% dos decisores do retalho estão prontos para fazer mudanças para adotar a Internet das Coisas (IoT), de acordo com o 2017 Retail Vision Study, da Zebra Technologies.

O estudo analisa as tendências tecnológicas que moldam o futuro da indústria de retalho global e aprimoram a experiência de compra.

Com as compras online a tornarem-se essenciais, nesta era de transformação, os retalhistas são desafiados a oferecer níveis de conveniência sem precedentes para ajudar a fidelizar os clientes. Embora os esforços ainda estejam, atualmente, no início, dentro de quatro anos, essas intenções tornar-se-ão prioridades.

Com 57% dos inquiridos a acreditar que a automação vai moldar a indústria, em 2021, os retalhistas irão perseguir programas que permitam à Internet das Coisas simplificar a embalagem e o envio de encomendas, rastrear o inventário e verificar os níveis de stock na loja e assistir os clientes a encontrar um item. O primeiro passo, no entanto, é integrar o comércio eletrónico e as experiências na loja para criar experiências de compras sem descontinuidades, um tema que 78% das empresas consideram importante ou crítico para os negócios.

Dentro de quatro anos, 65% dos retalhistas também planeiam explorar serviços de entrega inovadores, como entrega em locais de trabalho, casas e até mesmo automóveis. Enquanto isso, quase 80% dos retalhistas serão capazes de personalizar a visita da loja para os clientes, pois a maioria deles saberá quando um cliente específico está na loja. Isto será permitido através da tecnologia, tal como a micro localização, que permite que os retalhistas capturem mais dados e “insights” do cliente.

65% planeia investir em tecnologias de automação para gestão de stock e planeamento de conformidade, acrescenta o estudo.

Para acelerar as linhas de check-out, os retalhistas pretendem investir em dispositivos móveis, quiosques e tablets para aumentar as opções de pagamento. Especificamente, 87% dos retalhistas implementarão dispositivos de ponto de venda móvel até 2021, permitindo que estes digitalizem e aceitem pagamentos de crédito ou débito em qualquer lugar da loja.

Com o tema do Big Data a tornar-se crítico para 73% dos empreendimentos de retalho digital, até 2021, pelo menos 75% das empresas preveem investir em análises preditivas e software para prevenção de perdas e otimização de preços, além de análises de câmaras e de vídeo para fins operacionais e para melhorar a experiência geral do cliente.

Estas ferramentas digitais também beneficiarão o comprador. As principais fontes de insatisfação do cliente incluem os preços inconsistentes entre as lojas e a incapacidade de encontrar um item desejado, por estar sem stock ou fora de lugar . Dito isto, 72% dos retalhistas planeiam corrigir esses problemas reinventando as suas cadeias de abastecimento, com visibilidade em tempo real habilitada por automação, sensores e análise. “Cada centímetro da indústria de retalho está a mudar, dos corredores do armazém às prateleiras da loja, e os retalhistas estão a conduzir esta mudança numa corrida para servir melhor os clientes“, afirma Jeff Schmitz, vice-presidente sénior e diretor de marketing da Zebra. “O 2017 Retail Vision Study demonstra que os retalhistas estão prontos para atender e exceder as expectativas do cliente com novos níveis de personalização, velocidade e conveniência“.

Publicidade

Publicidade

Combate ao desperdício alimentar ganha cada vez mais força

Conforama vai ser dona de 17% da Showroomprivé