in

Luís Simões investe um milhão em Control Tower

A Luís Simões investiu cerca de um milhão de euros na centralização da gestão de segurança na sua Control Tower, conseguindo obter uma redução de 30% nas suas incidências de segurança.

Desde a sua implementação, a LS reduziu em 80% o tempo de resposta às incidências ocorridas nas suas operações, desde as 36 horas iniciais até às sete horas máximas atuais.

Através da Control Tower, operacional 24/7/365, a Luís Simões garante a segurança das suas instalações, dá apoio à rastreabilidade da mercadoria, gere de forma centralizada as incidências de carga e descarga nos seus armazéns e fornece apoio a toda a frota que se encontra em trânsito.

A Control Tower reúne, numa única plataforma de gestão (Milestone), todos os sistemas eletrónicos de suporte à segurança da empresa: controlo de acessos biométricos, CCTV de seis megapixéis, sistemas anti-intrusão, sistemas contra incêndio e controlo de frota por GPS. Por exemplo, a Control Tower pode monitorizar, em tempo real, se uma porta de uma instalação está aberta ou fechada. Em caso de incêndio, pode identificar, no imediato e de forma exata, qual o ponto de origem com um pop up de vídeo que indica o ponto do referido alarme e que fará o operador ativar os protocolos previstos para cada ocorrência. A plataforma faz interagir todos os sistemas em caso de incêndio e envia alertas para os equipamentos eletrónicos que vão gerar diferentes alarmes.

A Control Tower está localizada no Centro de Operações do Carregado, em Portugal, mais próxima dos principais centros de decisão da Luís Simões e onde o operador dispõe de uma equipa especializada no tratamento de imagens. Todos os equipamentos estão conectados por IP à plataforma central e a própria plataforma centraliza a gestão de todos eles com um software integrador, o que facilita o trabalho dos operadores da Control Tower.

Atualmente, a empresa conta com um sistema de mais de 500 câmaras em toda a Península Ibérica, na sua maioria hemisféricas, com capacidade para gravar imagens de seis megapixéis, o que permite monitorizar em tempo real as suas operações, garantindo a rastreabilidade da mercadoria em caso de incidência. Esta rastreabilidade permite-lhe ainda garantir a segurança dos condutores ao disparar um alerta sempre que, por exemplo, aconteça uma paragem não prevista numa viagem.

Segundo Gustavo Sánchez, diretor ibérico de segurança da Luís Simões, “a centralização ajudou-nos a uniformizar processos a nível ibérico, gerando sinergias significativas e dando mais segurança e verdadeiro valor acrescentado aos clientes”.

Publicidade

Publicidade

Continente compra três mil toneladas de trigo português

Sueca ICA Gruppen vai usar plataforma da Ocado