in

Logística europeia pede ajuda a Bruxelas para a liquidez das empresas do sector

Foto Shutterstock

Com o objetivo de ajudar as empresas europeias de logística a enfrentar as consequências da crise sanitária originada pelo coronavírus, a Associação de Logística Europeia (ELA, pela sua sigla em inglês) solicitou à União Europeia a implementação de uma série de medidas que permitam dar liquidez às empresas do sector.

Segundo os cálculos da própria organização, o transporte de mercadorias viu a sua atividade reduzida entre 25% e 30%, devido à descida da procura e às dificuldades encontradas no transporte internacional, face ao controlo nas fronteiras, que gera dezenas de quilómetros de fila. Por esse motivo, a ELA dirigiu uma carta às instituições europeias na qual expõe as medidas que Bruxelas deveria tomar para garantir o abastecimento dos países e reduzir as possíveis consequências económicas da crise epidémica no continente.

Em concreto, os operadores de logística europeus pedem a manutenção das cadeias de abastecimento globais, para garantir a aquisição de produtos farmacêuticos e sanitários não europeus. Além disso, propõe levar a cabo as iniciativas ambientais para a cadeia de abastecimento, de modo a dirigir a atenção para a recuperação dos negócios, uma vez passada a crise.

De igual modo, é solicitado o acesso a financiamento rápido, que evite requisitos burocráticos desnecessários e que ajudem a garantir a viabilidade dos negócios logísticos. Nomeadamente, empréstimos e subvenções para pequenas e médias empresas ou o congelamento das dívidas.

Paralelamente, um plano de formação em emergências sanitárias aumentaria a preparação das empresas de logística no momento de adquirir os recursos necessários.

Publicidade

IKEA

IKEA abre centro de testes do coronavírus no Reino Unido

Vendas de livros em Portugal caem 65,8%