in

Logística: as próximas décadas serão aumentadas e automatizadas

Foto Shutterstock

A mais recente parte do relatório de tendências DHL, “Futuro do Trabalho em Logística”, apresenta dois futuros possíveis, um que é aumentado pela tecnologia e outro automatizado pela mesma, e as considerações práticas para equilibrar a implementação de cada um deles, ao mesmo tempo, que conduzem à mudança.

A DHL prevê um futuro no qual os conceitos automatizados são realizados, principalmente, em seis segmentos da cadeia de fornecimento: operações de armazenamento, transporte de longo curso, entregas “last-mile”, operações de “back-office”, serviço ao cliente e planeamento da cadeia de fornecimento. “Sabemos que a transformação digital da logística não vai acontecer da noite para o dia, mas estamos agora num ponto de viragem. A transformação digital em escala é liderada pelas pessoas e acelerada pela tecnologia. Nesta perspetiva, devemos preparar-nos para a realidade de um futuro automatizado e permitir que os membros desempenhem um papel ativo ao lado da sua organização“, diz Klaus Dohrmann, vice-presidente de Innovation Europe & Trend Research, DHL Customer Solutions & Innovation.

 

Digitalização

Com o aumento da tecnologia, tanto os administrativos, como os especialistas de armazém e os estafetas terão um desempenho mais rápido, mais seguro e com menos esforço físico e mental, devido às novas tecnologias inteligentes. O espaço de trabalho, utilizado, principalmente, como espaço de escritório, também será reduzido, permitindo que estes locais sejam dedicados a funções logísticas como armazenamento, uma vez que a tecnologia permite às pessoas com funções de escritório trabalhar remotamente.

Com tecnologia automatizada, as máquinas e os robôs colaborativos realizarão tarefas operacionais com eficiência, 24 horas por dia, e com pouco ou nenhum erro, garantindo a contínua manutenção, otimização e expansão de uma indústria logística totalmente digitalizada.

Também iremos assistir a uma mudança na força de trabalho, para empregos que mantêm a cadeia de abastecimento a funcionar, tais como as equipas de manutenção e otimização.

Uma vez que as tecnologias aumentadas e automatizadas oferecem as suas próprias vantagens e desafios, ao adotá-las numa cadeia de abastecimento, a DHL não espera que nenhum desses dois conceitos se integre totalmente, especialmente nos próximos 10 a 20 anos.

 

Futuro do trabalho

Como qualquer processo de mudança em larga escala, a mudança para o futuro do trabalho em logística exigirá planeamento cuidadoso, gestão ativa, comunicação aberta, liderança inspiradora e pragmática e novas abordagens. Estes podem ser divididos em três alavancas principais de sucesso: nova liderança e funções, nova aprendizagem e desenvolvimento e novos modelos e ambiente de trabalho. “Somos um negócio de pessoas”, diz Jana Koch, sócia e diretora administrativa da DHL Consulting. “São os nossos membros que entregam o valor dos nossos serviços e dos nossos negócios, por isso, o nosso principal interesse é levar todos no caminho da digitalização. Cada um desempenha um papel”.

Segundo a DHL, “é importante que os líderes incluam os membros e os tornem participantes ativos da mudança. Ao fazer isso, eles podem cultivar um ambiente de preparação e adaptação e fornecer oportunidades para que as nossas pessoas cresçam por meio do desenvolvimento de novas competências e da requalificação. O sector da logística precisa, portanto, de comunicar e colaborar com as instituições governamentais, organizações sociais e outros sectores para garantir que o talento não fique parado“.

Publicidade

Pedras

Pedras lança nova campanha com o mote “À mesa escolhe Natureza”

solvências

Crédito y Caución prevê dois anos de crescimento das insolvências globais