in ,

Leroy Merlin vai vender produtos de bricolagem em segunda mão

segunda mão

O mercado de produtos em segunda mão ​​cresce cada vez mais, principalmente nos sectores de moda e tecnologia. Esta tendência ainda não teve muito sucesso no sector da bricolagem e do lar, mas a Leroy Merlin decidiu fazer a sua aposta, com a venda de produtos como chaves de fenda ou berbequins em segunda mão.

Os consumidores poderão colocar à venda todos os tipos de ferramentas de bricolagem em boas condições, para que outras pessoas as possam utilizar. Através do site da Leroy Merlin terão de preencher um questionário onde explicam o estado técnico e estético dos produtos e, com base nestes dados, o site oferece-lhes um preço. Assim que a empresa de bricolagem tiver o produto na sua posse, enviará um cartão-presente ao utilizador com o valor acordado.

Para entregas e validação de produtos, a Leroy Merlin contará com a Cordon Group, uma empresa com sede em Dinan especializada em manutenção, reparação e renovação de produtos.

 

Segunda mão

As lojas vão contar com um espaço a partir de 2022 para estes produtos, que podem ser tanto decoração como ferramentas de bricolagem.

Matthieu Degeorges, chefe do departamento de produtos em segunda mão ​​da marca, disse que este espaço também será usado para “produtos que sofreram alguma quebra, foram abertos ou devolvidos e não podem mais ser vendidos. Em vez de acabar no aterro, oferecemos nesses cantos com descontos que podem variar de 20 a 80%”.

 

Sustentabilidade

A marca quer dar mais um passo na direção da sustentabilidade com esta nova linha de negócios, com a qual acredita que pode ajudar a reduzir o desperdício. A empresa explicou que muitas das ferramentas de bricolagem têm uma vida média de apenas 12 minutos, porque “são ferramentas que quase todos nós possuímos, mas que utilizamos muito pouco”.

“O objetivo é simplificar a revenda de objetos para os clientes, mas também oferecer no nosso mercado produtos mais baratos – pelo menos 20% em relação ao preço normal – mas que foram verificados e oferecem todas as garantias”, diz Matthieu Degeoges.

Por enquanto este serviço só foi anunciado na França, mas pode ser que, ao longo de 2022, a empresa decida estendê-lo a outros países.

 

 

Geração Z: 46% dos consumidores tomaram decisões de compra com base em questões sociais

bacalhau

3 em cada 4 lares portugueses consomem bacalhau