in

Izidoro doa uma tonelada de bens alimentares a instituições de solidariedade social

A emergência pública que Portugal vive neste momento levou a Izidoro a reforçar as iniciativas de responsabilidade social, nomeadamente com o aumento da oferta de bens alimentares junto de várias instituições de solidariedade.

Desde o início de março, a marca centenária portuguesa, especialista na área de charcutaria, doou uma tonelada de bens alimentares à base de carne a um conjunto de instituições nacionais e regionais, nomeadamente à Cruz Vermelha Portuguesa, Banco Alimentar Contra a Fome, Associação Remar Portuguesa, CASA (Centro de Apoio ao Sem Abrigo), Banco Alimentar Contra a Fome da Península de Setúbal, Santa Casa da Misericórdia de Palmela, Associação Nacional de Combate à Pobreza e Fundação COI. “Num período particularmente delicado que vivemos em Portugal, e no âmbito da solidariedade institucional e social que este momento exige, e que tem implicado um excecional esforço de todos, procuramos também dar o nosso contributo com o objetivo de minimizar os impactos causados pela pandemia Covid-19 junto dos mais desfavorecidos“, comenta Marco Andrade, diretor de marketing da Izidoro. “A Izidoro é uma empresa 100% nacional na área de alimentação, com operação do prado ao prato, pelo que, neste momento difícil que todo o país enfrenta, é nossa obrigação envolvermo-nos também neste combate, reforçando as nossas entregas junto das instituições e procurando ajudar quem mais precisa. É também nosso dever agradecer aos portugueses o apoio que têm dado à produção nacional através das suas escolhas, algo tão importante para a recuperação do país”, conclui.

Paralelamente, e consciente do esforço que todos os seus colaboradores têm realizado na atual conjuntura, de forma a garantirem que os produtos da marca continuem a chegar aos consumidores, a Izidoro ofereceu ainda mais de um tabuleiro de salsichas a cada um dos seus mais de mil colaboradores das diferentes unidades de produção, pessoal de limpeza e junto de motoristas parceiros que têm assegurado toda a distribuição às cadeias de retalho alimentar.

Insolvências na China vão crescer 25% em 2020

O que mudou nos comportamentos em quarentena?