in

IVDP anuncia Rota dos Vinhos e do Enoturismo do Porto e Norte de Portugal

IVDP

O Instituto dos Vinhos do Douro e do Porto (IVDP) anunciou que vai participar como membro fundador, através da Rota dos Vinhos do Douro e do Porto, a mais antiga região delimitada e regulamentada do mundo, na Rota dos Vinhos e do Enoturismo do Porto e Norte de Portugal (RVEPN), que será apresentada publicamente no próximo dia 27 de maio.

Na nova RVEPN participam, além do IVDP, o Turismo Porto e Norte de Portugal, bem como as Comissões Vitivinícolas das Regiões dos Vinhos Verdes, Távora-Varosa e Trás-os-Montes.

Ao tornar-se detentor da marca Rota dos Vinhos do Douro e do Porto, o IVDP retomou uma iniciativa que tinha sido experimentada no passado, agora procurando maior abrangência, envolvimento e rigor na execução e vivência do projeto, consignando princípios de governança e de gestão, projeto que não está apenas assente no contributo dos diferentes stakeholders que a compõem, mas preconiza uma ação em lógica de rede. “No respeito pelos princípios enunciados na Carta Europeia do Enoturismo, é lançado, assim, um desafio que deve ser entendido como um processo partilhado, autorregulado e de adesão voluntária por todos quantos nele queiram participar: adegas, instalações vitivinícolas, centros de acolhimento e outras instalações conexas que proporcionem programas e conteúdos de visita e experimentação diversificados e complementares, contribuindo para enriquecer a experiência dos turistas na descoberta e vivência na Região Demarcada do Douro”, assegura Gilberto Igrejas, presidente do IVDP.

Para o instituto, este projeto consubstancia-se na implementação de uma estratégia coletiva de desenvolvimento, apoiado na observância dos princípios de desenvolvimento sustentável, da cooperação, enquanto elemento potenciador de sinergias resultantes de complementaridades de atividades e ações comuns entre aderentes e demais parceiros do território, e na preservação do meio ambiente, favorecendo o desenvolvimento socioeconómico do território com respeito pelo meio e pelos valores paisagísticos. “O Douro é um dos expoentes de Portugal na oferta turística, com especial potencial no que diz respeito à oferta enoturística, conjunto de atividades e recursos turísticos, de lazer e de tempos livres, relacionados com as culturas, materiais e imateriais, do vinho e da gastronomia autóctone dos seus territórios”, sublinha o mesmo responsável.

 

Região Demarcada do Douro

Segundo o IVDP, o Douro deve mostrar-se de forma estruturada a todos aqueles que vêm à descoberta do território onde é produzido o seu vinho, fator para se potenciar, nacional e internacionalmente, o seu consumo esclarecido, fundamental ao aumento da sua comercialização. “As rotas do vinho constituem um dos produtos essenciais para o desenvolvimento dos destinos turísticos, ao serem instrumentos que organizam o território, porquanto dinamizam e promovem os ativos de um destino. Desempenham, na oferta de serviços turísticos, uma forma organizada de salvaguardar e valorizar a cultura, de abrir portas à descoberta de novos territórios”, conclui Gilberto Igrejas.

economia circular

Portugal precisa de uma indústria renovada em prol de uma economia circular

cortiça

Missão Continente salva 442 toneladas de cortiça