solvências
in

Insolvências e constituições crescem em janeiro

Em janeiro, registou-se um aumento das insolvências de 4,9%, com 446 empresas insolventes, mais 21 do que no período homólogo de 2021. Contudo, as declarações de insolvência requeridas por terceiros diminuíram 27,5% face a 2021 (menos 25 empresas), enquanto as apresentações à insolvência pelas próprias empresas baixaram 12,8%. Os encerramentos de processos tiveram um acréscimo de 23,8% com 296 insolvências declaradas, mais 57 do que em 2021.

Os distritos de Lisboa e do Porto foram os que apresentaram o número de insolvências mais elevado, 116 e 99, respetivamente. Face a 2021, verificou-se um aumento de 17,2% em Lisboa e uma diminuição de 16,8% no Porto.

Os distritos com decréscimos nas insolvências foram Angra do Heroísmo (-100%), Ponta Delgada (-80%), Portalegre (-66,7%), Guarda (-60%), Viana do Castelo (-42,9%), Faro (-37,5%), Viseu (-36,4%) e Aveiro (-15,4%). Os aumentos registaram-se nos distritos de:Setúbal (105,9%), Coimbra (100%), Leiria (63,6%), Vila Real (50%), Madeira (40%), Santarém (20%), Braga (14,3%) e Castelo Branco (9,1%).

Por sectores, as áreas de atividade com aumentos nas insolvências foram comércio de veículos (100%), outros serviços (19,7%), construção e obras públicas (15%) e comércio por grosso (1,8%). Os decréscimos surgirAm em sectores como a indústria extrativa (-100%), eletricidade, gás, água (-33,3%), transportes (-15%), comércio a retalho (-8,9%), hotelaria e restauração (-1,9%) e indústria transformadora (-1%).

 

Constituições crescem 19,2%

A constituição de novas empresas, no primeiro mês de 2022, passou de 3.456, em 2021, para um total de 4.121, em 2022, mais 665 empresas em termos homólogos (acréscimo de 19,2%).

O número mais significativo de constituições verificou-se em Lisboa, com 1.346 empresas (46,9%), e no Porto, com 697 empresas (-0,3%).

Os distritos com aumentos nas constituições em janeiro de 2022 foram Vila Real (81,3%), Angra do Heroísmo (55,6%), Faro (53,2%), Coimbra (34,7%), Bragança (27,3%), Portalegre (25%), Braga (19,7%), Setúbal (16,7%), Viseu (12%), Horta (11,1%), Beja (8,5%), Aveiro (8%) e Madeira (1,6%).

As diminuições surgiram nos distritos de Évora (-35,8%), Ponta Delgada (-20,9%), Leiria (-9,6%), Santarém (-6,4%), Guarda (-3,3%), Castelo Branco (-2,1%) e Viana do Castelo (-1,4%).

As variações positivas nas constituições foram registadas nos sectores de transportes (103,4%), hotelaria/restauração (57%), indústria transformadora (23,7%), construção e obras públicas (23,5%), outros serviços (23,3%), telecomunicações (22,2%) e eletricidade, gás, água (7,1%). Com variação negativa face ao ano passado surgem as atividades de indústria extrativa (-66,7%), comércio a retalho (-17,6%), agricultura, caça e pesca (-14,6%), comércio por grosso (-6,1%) e comércio de veículos (-3,9%).

Top_Employer_Portugal_2022

PepsiCo é a segunda melhor empresa para trabalhar em Portugal

Reclamações

Mais de 80% dos consumidores recorre ao Portal da Queixa para resolver um problema