in ,

Huawei ultrapassa Apple como a segunda maior marca de smartphones

De acordo com as últimas pesquisas Market Pulse da Counterpoint para julho de 2017, a Huawei superou a Apple nas vendas globais de smartphones de forma consistente em junho e julho. As vendas de agosto aparentam manter-se fortes para a fabricante chinesa, que poderá conseguir assim o seu terceiro mês à frente da gigante americana.

Ao discurtir este desenvolvimento competitivo, o diretor de pesquisa da Counterpoint, Peter Richardson, observou que “este é um marco significativo para a Huawei, a maior marca chinesa de smartphones com uma crescente presença global. Isso transmite o volume para este fornecedor, principalmente de infra-estrutura de rede, em quão longe cresceu no espaço móvel de consumo nos últimos três a quatro anos. A escala global que a Huawei conseguiu pode ser atribuída ao seu investimento consistente em I & D e fabrico, juntamente com o marketing agressivo e a expansão do canal de vendas“.

Embora esta série possa ser temporária, considerando que a atualização anual do iPhone está ao virar da esquina, ressalta bem a taxa de crescimento que a Huawei tem registado. No entanto, uma presença fraca nos mercados da Ásia do Sul, da Índia e da América do Norte limita o potencial da Huawei no médio-prazo para assumir uma posição de segundo lugar sustentável atrás da Samsung. A Huawei é excessivamente dependente do mercado doméstico da China, onde goza da posição de liderança e dos mercados centrados nos operadores na Europa, América Latina e Médio Oriente“, acrescenta.

Analisando as perspetivas futuras e outras descobertas, o diretor associado da Counterpoint, Tarun Pathak, explica que “o crescimento das marcas chinesas é uma tendência importante que nenhum jogador do ecossistema móvel pode ignorar. As marcas chinesas com a sua posição dominante em mercados-chave como China, Europa, Ásia e América Latina restringiram as perspetivas de crescimento para as principais marcas globais, como a Samsung e a Apple. As marcas chinesas estão a cerscer rapidamente, não só pelo design dos smartphones, capacidade de fabrico e conjuntos de recursos ricos, mas também por rivalidades fora do mercado e fora do consumo em canais de vendas, estratégias de promoção de entrada no mercado e de marketing“.

Pathak, acrescenta: “Huawei, Oppo, Vivo e Xiaomi obtiveram acesso aos principais parceiros da cadeia de fornecimento, o que lhes permitiu lançar projetos com displays completos, Realidade Aumentada, chipsets internos e recursos avançados da câmara, que os manteve lado-a-lado com os seus rivais. Esses jogadores tornaram-se tão importantes quanto a Samsung ou a Apple para a cadeia de fornecimento global, no desenvolvimento de aplicativos e canais de distribuição, pois continuam a crescer em escala mais rapidamente do que os atuais líderes de mercado“.

Comentando os modelos mais vendidos no mês de julho, o analista sénior, Pavel Naiya destacou: “A Apple continuou a impulsionar o seu momento com o flagship iPhone 7 & 7 Plus; ainda são os modelos mais vendidos do mundo. A OPPO tem sido uma das marcas de crescimento mais rápido globalmente graças à popularidade dos modelos, incluindo o flagship OPPO R11 e o OPPO A57 de nível médio, que alcançaram o terceiro e o quarto lugar, respetivamente. Estes foram seguidos pelo flagship Galaxy S8 da Samsung, Xiaomi Redmi Note 4X e Samsung Galaxy S8 +. A atualização da Apple de 32 GB do venerável iPhone 6 permitiu recuperar o impulso durante o mês, com popularidade em mercados pré-pagos a por de parte o Galaxy J7 da Samsung.

Naiya, acrescentou. “Enquanto a Huawei passou a ser a segunda maior marca do mundo em geral, é surpreendente ver que nenhum dos seus modelos entrou nos rankings dos dez melhores. Isto é devido a um portfólio de SKU múltiplo que atualmente não possui um verdadeiro dispositivo herói. Ao ter um portfólio diversificado, a Huawei pode lutar em várias frentes, mas faz pouco para construir o reconhecimento geral da marca; algo que a Huawei realmente precisa se quer continuar a ganhar participação. Enquanto a Huawei cortou o seu portfólio, provavelmente precisará racionalizar ainda mais sua gama de produtos, como a Oppo e a Xiaomi fizeram – colocando mais músculo por trás de menos produtos“.

Publicidade

Nestlé compra Sweet Earth

Europastry integra megacamiões na sua rede de transporte