in ,

HP confirma a sua liderança mundial no negócio de PC’s

A HP, que segundo a IDC já tinha conseguido arrebatar a primeira posição á chinesa Lenovo, no primeiro trimestre, fechou o segundo trimestre consolidando este lugar, desta vez segundo os dados da Gartner, a outra grande empresa de análise de mercado.

De acordo com esta consultora, a HP encerrou junho com uma quota de mercado de 20,8%, quase um ponto acima da sua concorrente asiática, que se manteve líder durante os últimos quatro anos.

A fabricante norte-americana, que totaliza cinco trimestres consecutivos registando aumentos anuais, elevou as suas vendas em 3,3% entre abril e junho, para 12,7 milhões de unidades. Enquanto isso, as vendas da Lenovo diminuíram 8,4%, após dois trimestres positivos, e fechou com uma quota de 19,9%. A consultora atribuiu este retrocesso “a uma mudança de estratégia” da marca chinesa, “focada em proteger as suas margens de lucro“.

O terceiro lugar na classificação foi para a Dell, que, tal como a HP, tem crescido ao longo dos últimos cinco trimestres. A sua quota é de 15,6%. Estas três marcas são responsáveis por mais de metade do mercado de PC’s. O restante é dividido entre vários fabricantes, incluindo a Apple e a Asus, que são quarto e quinto, respetivamente.

Todas estas empresas lutam para agarrar quota de mercado num negócio que continua a cair. Segundo a Gartner, no segundo trimestre do ano, as vendas de PC’s em todo o mundo contraíram 4,3% em relação ao ano anterior, totalizando 61,1 milhões de unidades vendidas. A figura, a menor desde 2007, revela 11 trimestres de quedas consecutivas do sector.

A Gartner aponta que a má situação que atravessa o mercado é o resultado da falta de alguns componentes, tais como as memórias RAM ou os painéis de LCD, que levaram a um aumento dos preços, o que acabou por afetar a venda de computadores pessoais. “Alguns fabricantes decidiram absorver o aumento, mas outros transferiram os custos para o preço final do produto“, disse Mikako Kitagawa, analista da consultora.

Publicidade

Sentir as dores dos clientes

Starbucks compra a sua operação na China Oriental em acordo recorde