in

França proíbe venda de produtos não essenciais nas grandes superfícies

Foto Shutterstock

A partir desta terça-feira, dia 3 de novembro, as grandes superfícies francesas não poderão vender produtos não essenciais, de modo a evitar a concorrência desleal com os pequenos negócios que foram obrigados a fechar portas com o novo confinamento ditado em França, para conter a disseminação da Covid-19.

Após contactos com as associações de pequenos comerciantes e das grandes superfícies, e dois dias depois da proibição da venda de livros nos hipermercados, para não prejudicar as pequenas livrarias independentes, o Governo francês tomou a decisão de alargar a todos os produtos não essenciais. Jean Castex, primeiro-ministro francês, justifica a medida com uma questão de “equidade”, sabendo, contudo, que os grandes beneficiados serão os operadores de e-commerce.

A situação será revista dentro de duas semanas e, se a situação epidemiológica o permitir, será autorizada uma abertura gradual dos pequenos espaços de comércio. Jean Castex prometeu, ainda, 20 milhões de euros em ajudas suplementares aos negócios obrigados a fechar portas.

O novo confinamento em França está previsto durar até 1 de dezembro.

Publicidade

Primark

Primark estima 416 milhões de euros de vendas perdidas

AHRESP

AHRESP apresenta 10 medidas para evitar a destruição de empresas e do emprego