Indonésia
Foto Shutterstock
in

Forte descida do crescimento na Indonésia

A recessão económica mundial e as medidas de confinamento face à propagação da pandemia de coronavírus na Indonésia estão a afetar gravemente os resultados económicos do país. Prevê-se que o Produto Interno Bruto (PIB) contraia 2,7%, em 2020, após um crescimento de 5% em 2019.

A Indonésia apresenta vulnerabilidades estruturais às turbulências do mercado financeiro mundial, na medida em que os investidores estrangeiros possuem mais de 30% dos títulos do Estado, uma percentagem maior que a dos mercados vizinhos, e cerca de um terço do financiamento da dívida das empresas, pelo que os riscos de deterioração da sua capacidade de pagamento e as suas necessidades de refinanciamento continuam a ser elevadas.

 

Queda no consumo privado

O crescimento anual do consumo privado, um dos principais impulsionadores da expansão económica da Indonésia, nos últimos anos, sofreu uma contração de 2,3%, em 2020, com os gastos das famílias em bens não essenciais a diminuírem substancialmente.

O sector do turismo foi gravemente afetado e prevê-se que os investimentos sofram uma redução decorrente das contínuas interrupções dos principais projetos infraestruturais, como a construção de novas estradas, portos e centrais elétricas.

No sector alimentar, as empresas que dependem das importações de produtos básicos enfrentam uma subida de preços e problemas de fluxos de caixa decorrentes da desvalorização da moeda.

As exportações representam apenas 22% do PIB, o que faz com que a Indonésia esteja menos suscetível que outros países da Ásia-Pacífico às quedas do comércio mundial. É esperado que as exportações indonésias diminuam perto de 5%, em 2020. A menor procura chinesa e a deterioração dos preços vão afetar, principalmente, os produtores e exportadores dos sectores mineiro e energético.

 

Medidas de apoio

A Indonésia aboliu o limite constitucional do défice orçamental para o período de 2020-2022 e estabeleceu medidas de estímulo, num valor equivalente a 4% do PIB. A Crédito y Caución prevê que as contas públicas registem um défice superior a 7% do PIB, em 2020, com um aumento da dívida pública até 43% do PIB.

Entre as principais medidas de apoio à economia figuram o aumento das despesas sanitárias, medidas de proteção social, redução de impostos às empresas, reestruturação de créditos, empréstimos especiais às PME e transferência de rendimentos para as famílias mais desfavorecidas, num país onde 70 dos 270 milhões de habitantes trabalham no sector informal. O Banco Central reduziu as taxas de juro de referência e os níveis de reservas obrigatórias do sector financeiro, de modo a melhorar a sua capacidade de apoio às empresas locais.

 

reciclagem

União Europeia poderá não cumprir com objetivos de reciclagem de embalagens de plástico

La Casa de las Carcasas

La Casa de Las Carcasas aposta na expansão em Portugal