in

Estudo da DHL identifica quatro elementos chave para o futuro da logística

A inovação tecnológica  vai tornar-se ainda mais importante para o sector logístico, num contexto em que a digitalização está a conduzir à maior transformação da indústria.

Esta é uma das principais conclusões da quarta edição do estudo “Radar de Tendências da Logística”, onde a DHL revela 28 tendências que podem impactar a indústria da logística nos próximos cinco a 10 anos. “O nosso ‘Radar de Tendências da Logística’ funciona como um mapa para a inovação, ajudando-nos a desenvolver e a catalisar investigação na indústria e projetos em conjunto com os nossos clientes e parceiros. Nesta edição, estamos bastante focados na revolução digital que está a acontecer na indústria e o seu impacto, através de quatro elementos-chave que estão a definir o futuro da logística: o foco no cliente, a sustentabilidade, a tecnologia e as pessoas”, explica Mathias Huetger, vice-presidente sénior e diretor global para a inovação e o desenvolvimento comercial da DHL. 

O foco no cliente será crucial para uma experiência de logística mais rápida e conveniente. Uma quantidade cada vez maior de bens que podem ser comprados online, especialmente no mercado de B2B, está a levar a uma necessidade de soluções logísticas omnicanal B2B. A procura dos clientes está também a potenciar o aumento de envios diretos para o consumidor de bens sensíveis ao tempo e à temperatura. Esta tendência vai exigir a introdução de inovações no que diz respeito às embalagens, armazenamento e entrega de bens, como é o caso dos produtos de mercearia e medicamentos. Uma área-chave para a inovação será a integração de serviços de logística em ambientes domésticos inteligentes.

Por outro lado, a sustentabilidade é um elemento obrigatório para operar na indústria da logística, à medida que os governos, as cidades e os fornecedores se comprometem com a redução de emissões de CO2 e os seus resíduos. A Green Energy Logistics – a eletrificação de frotas e instalações – oferece o potencial para a logística se tornar mais ecológica. A contentorização inteligente no transporte será também importante para o desenvolvimento de soluções amigas do ambiente nas entregas em cidades muito congestionadas.

A tecnologia vai espalhar-se na indústria da logística, impulsionada por tendências como a Internet das Coisas (IOT) e a inteligência artificial. Uma tendência que poderá acelerar este processo será a disseminação das redes sem fio de última geração, que podem aumentar significativamente a economia e o valor derivado da conectividade na cadeia de abastecimento. Outra tendência destacada nesta edição é o Blockchain, que tem suscitado muito interesse e muitas promessas, mas a adesão da indústria pode enfrentar obstáculos significativos.

As pessoas continuarão a estar no centro da logística, mesmo que tendências como a robótica e a automação, assim como o software de automação, venham a redefinir a estrutura da força de trabalho no futuro. As tarefas muito repetitivas e fisicamente exigentes vão ser ajudadas pela tecnologia, permitindo que as pessoas se dediquem a outras tarefas que requeiram gestão, análise e inovação. Conceitos de trabalho digital vão ser necessários para atrair e reter o talento da geração Millennial na indústria da logística, assim como para apoiar a força de trabalho.

O relatório dá também destaque aos projetos de transformação inovadora da DHL, como é o caso do desenvolvimento bicicletas elétricas para a logística urbana ou o uso da inteligência artificial para prever o comércio global.

Publicidade

ConAgra Brands compra a Pinnacle Foods

53% das empresas nos EUA não negoceiam com o Canadá e o México