in

Dona da Media Markt com resultados positivos apesar da pandemia

Foto Novikov Aleksey/Shutterstock

A Ceconomy, a empresa que tem na sua esfera a Media Markt e a sua congénere Saturn, apresentou resultados positivos no seu primeiro trimestre fiscal, não obstante o agudizar da situação relacionada com a pandemia e que motivou o encerramento temporário de lojas.

No período de outubro a dezembro de 2020, as vendas aumentaram 11,4%, para os 7,5 mil milhões de euros. O EBITDA atingiu os 346 milhões de euros, mais 56 milhões de euros que no ano anterior. “Tivemos um bom início de ano financeiro, apesar de todas as circunstâncias nestes tempos desafiantes. “No ano passado, já tínhamos tido uma campanha de Black Friday bem-sucedida. Este ano, aproveitámos ainda melhor as oportunidades, ao deliberadamente ampliarmos a ‘peak season’”, comenta Bernhard Düttmann, CEO da Ceconomy. “Os nossos ganhos também confirmam que estamos no caminho estratégico certo. Não obstante, vamos continuar a apostar na nossa transformação”.

 

Recorde no online

Alcançando um total de 2,3 mil milhões de euros, as vendas online atingiram um recorde, crescendo 116%. Este negócio representou já cerca de 30% das vendas totais, no primeiro trimestre, quase o dobro do ano anterior. Foram registados perto de três milhões de novos clientes online, neste período.

De acordo com a empresa, este crescimento do negócio online mais que compensou a perda de vendas das lojas físicas, como resultado do encerramento das lojas, devido à Covid-19.

Pandemia que, em contrapartida, afetou negativamente o negócio de serviços e soluções. As vendas caíram 9%, para os 343 milhões de euros, o que se deve à queda no tráfego nas lojas físicas. Em contraste, a venda de extensões de garantias continuou com um bom desempenho.

A 31 de dezembro de 2020, 57% de todas as lojas geridas pela Ceconomy da Europa estavam afetadas pelos encerramentos.

Publicidade

Agricultura

Consórcio ambiciona futuro digital, inteligente e sustentável para toda a cadeia agroalimentar

Doces

Covid-19 impacta confeitaria