in

Diversidade, álcool zero e responsabilidade social são as tendências do sector cervejeiro

Nesta sexta-feira, dia 2 de agosto, celebra-se o Dia Internacional da Cerveja. A efeméride, comemorada na primeira sexta-feira de agosto de cada ano, começou por ser uma celebração local, em 2007, quando um grupo de amigos da Califórnia instituiu a data comemorativa com o objetivo de saborear cerveja em boa companhia e enaltecer aqueles que a produzem e servem. Hoje, a ocasião é já um evento mundial, com mais de 50 países a assinalarem este dia.

Em Portugal, os Cervejeiros de Portugal associam-se também a esta efeméride. “Além de um bom pretexto para conviver e degustar cerveja, sempre de forma responsável, o Dia Internacional da Cerveja é também uma oportunidade para recordar o dinamismo e a importância do sector cervejeiro para a economia do país. Esta efeméride não é ocasional, ora não fosse agosto um mês que acelera o seu consumo e a sua celebração”, sublinha o secretário geral dos Cervejeiros de Portugal, Francisco Gírio.

Em 2018, os portugueses consumiram 69% de cerveja no canal Horeca, um dado que revela a apetência dos consumidores portugueses pelo consumo fora de casa, sobretudo em atividades de lazer, associadas às refeições e à convivialidade nas esplanadas e cafés. Portugal é o país número um em termos europeus no consumo societal fora de casa.

Apesar de, por vezes, não ser evidente na opinião pública, mais de 98% dos portugueses consomem cerveja de forma moderada e responsável. Por outro lado, o consumo irresponsável e excessivo, apesar de muito inferior à média europeia, é um problema que todos os sectores de bebidas alcoólicas combatem e, de forma ativa, estabelecem parcerias com as entidades públicas e privadas, que se preocupam com a minimização do consumo irresponsável entre maiores de idade e a prevenção de práticas menos saudáveis através da formação e educação.

Não é por isso de estranhar que uma tendência atual do sector resida na aposta nos segmentos da cerveja sem álcool e da cerveja com baixo teor de álcool, que respondem às exigências do consumidor de hoje, que pretende associar novas experiências de consumo a um consumo responsável e a escolhas mais saudáveis. De facto, as cervejas sem álcool assumem-se mesmo como a nova tendência do mercado europeu e são um segmento com grande potencial de crescimento.

Natália Cavaleiro Costa, nutricionista e consultora dos Cervejeiros de Portugal, sublinha “que a cerveja pode e deve ser aliada a um estilo de vida saudável, onde se enquadra a dieta mediterrânica. Quando bebida com moderação, a cerveja é um alimento fermentado com inúmeras vantagens do ponto de vista nutricional. A opção 0,0 veio dar nova ênfase a estas vantagens, sendo rica do ponto de vista nutricional e de hidratação, e distanciando-se, pela positiva, de muitos sumos e refrigerantes que contam com doses elevadas de açúcar”.

Outra tendência atual do mercado é a proliferação e adesão dos portugueses à diversidade das cervejas produzidas de modo artesanal. Com centenas de variedades, cores, sabores e texturas, a cerveja é uma das bebidas mais consumidas no mundo. Em Portugal, o sector contribui com 80 mil postos de trabalho diretos e indiretos e gera mais de mil milhões de euros por ano, assente numa cadeia de valor quase totalmente nacional.

Publicidade

Publicidade

OGX apresenta produtos em formato de viagem

Nestlé Portugal abre programa para trainees