in

2021 será o ano de…

Foto Shutterstock

A questão foi feita por Carol Reed, diretora de marketing de dados e produtos da WPP, durante a sessão que dinamizou no âmbito do CES 2021, a maior feira de tecnologia a nível mundial, que este ano se converteu em 100% online, devido à pandemia. Reconexão, privacidade, melhoria, responsabilidade social e contributo são alguns dos termos associados ao presente ano.

 

Reconexão

Reconectar com os amigos e a família e, no caso dos negócios, com o consumidor será um dos mantras para 2021. No rescaldo do ano que terminou, o consumidor a forma como as marcas se envolvem com os clientes irá mudar, tendo em conta que, como notou Iván Markman, diretor de negócios da Verizon Media e um dos participantes na sessão, se há algo de que os consumidores sentem falta é de poder experimentar e sentir a sua compra e das reuniões. Nessa medida, avanços em áreas como a realidade aumentada permitirão uma nova forma de interação entre marcas e clientes.

Numa fase de “regresso à normalidade”, as marcas terão de se preparar para uma dualidade. Por um lado, o consumidor anseia por esse regresso à normalidade, pelo que existe a oportunidade de recebê-lo como uma celebração da possibilidade voltar a ter uma vida normal. Mas, por outro, muitos dos comportamentos adquiridos com a pandemia irão manter-se, como a opção pelo e-commerce, pelo que muitas das boas experiências e a agilidade experimentadas online serão exigidas pelo cliente em qualquer canal.

Os participantes também consideram que 2021 será o ano de falar novamente de questões éticas e da privacidade dos dados. Uma vez que as experiências personalizadas são obtidas através da troca de dados e informações do cliente, as marcas terão de mostrar transparência na sua utilização.

 

Melhoria

2021 será também o ano de fazer melhor pelo planeta e pelas pessoas. Para Gabby Cohen, da área de marketing e comunicação da Harry’s, este ano girará em torno do significado de cada marca e da ligação mais profunda que estabelece com o cliente. Este ano, haverá a oportunidade das marcas se conectarem com os consumidores através do humor, mudando o tom e o tipo de comunicação, de modo a tornar o ato de compra numa experiência mais ligeira e prazerosa.

A aposta na responsabilidade social será uma das exigências dos clientes que irá intensificar-se ao longo do ano, tendo por certo que não basta apoiar determinadas causas ou desenvolver ações solidárias. Esta terá de se inscrever no ADN das marcas e estar espelhada em todos os pontos de contacto.

 

Contributo

Finalmente, e na sequência das tendências anteriores, 2021 será o ano de contribuir devolver algo à sociedade. No entender de Alyssa Rainer, responsável das plataformas de comercialização de clientes da Walgreens, na primeira metade do ano, haverá um período de stress pós-traumático, que as marcas podem ajudar a gerir através das suas linhas de apoio e do contacto com especialistas. A gestora considera que, no cômputo geral, será um ano positivo, uma vez que consolidará uma tomada de consciência generalizada do que se pode fazer em benefício do planeta e da sociedade, onde temas como a sustentabilidade e a luta contra o desperdício continuam a fazer parte da agenda.

Publicidade

Metro França compra 25% da Filpromer

Pingo Doce

Vendas da Jerónimo Martins crescem 3,5%