in ,

Crescimento e promoções no 1.º de maio

A semana 18 incluiu o dia 1 de maio, que é, desde 2012, de elevado nível de vendas e de promoções nos bens de grande consumo. Mesmo neste contexto de pandemia, o mercado apresentou um crescimento de vendas comparativamente a 2019: os bens de grande consumo totalizaram, nesta semana, vendas na ordem dos 182 milhões de euros, um aumento de 6% face ao período homólogo, de acordo com os dados da Nielsen.

Promoções

O online manteve um enorme dinamismo, continuando a registar crescimentos na ordem dos 200% em número de ocasiões de compra e número de lares compradores neste canal.

Efeito do armazenamento

Na semana 18, a alimentação destacou-se como a única categoria a crescer. Nesta última semana de estado de emergência, continuaram a destacar-se, com incrementos acima da média, as categorias de consumo em casa e os produtos de maior durabilidade, particularmente as bebidas quentes (+44%), os produtos básicos (+26%) e os congelados (+22%).

Promoções

As bebidas alcoólicas cresceram 11%, embora, no total, as bebidas tenham registado uma quebra de vendas de 1%.

Já maioria das categorias de higiene pessoal e do lar apresentaram um decréscimo, algo que pode ser explicado pelo facto dos portugueses se manterem em casa (exemplo dos produtos solares e produtos para calçado) e porque terá existido um forte armazenamento deste tipo de produtos nas semanas anteriores (tendência visível no papel higiénico e higiene oral).

Promoções

Promoções crescem potenciadas pelo folheto

Verificou-se uma subida no peso das promoções através de folheto na semana 18 (31,3%), que ascendeu neste período ao seu valor mais elevado desde a semana 11.

Nesta semana, a percentagem total de vendas em promoção atingiu os 39,3%.

Canais de proximidade conquistam relevância

Promoções

No período Covid, é o fator “proximidade” que se destaca com a variação mais acentuada das vendas, invertendo a tendência do período pré-Covid.

Como aponta Marta Teotónio Pereira, Client Consultant Senior da Nielsen, “em pleno de estado de emergência, a saída à rua é feita ainda com cuidados redobrados. Por este motivo, as lojas de proximidade continuam a apresentar crescimentos superiores aos registados no período pré-Covid, com um dinamismo superior ao dos restantes tipos de loja, comprovando que os portugueses procuram soluções mais próximas das suas casas e evitam deslocar-se desnecessariamente. Para além disso, nota-se também uma preocupação em reduzir o número de visitas às lojas, registando-se um maior gasto de ocasião por visita. A área alimentar é aquela em que os consumidores mais apostam nesta fase em que o consumo é feito em casa. Para os portugueses, é fundamental assegurar o recheio da sua despensa e garantir as refeições a realizar em casa durante este período. Apesar de serem altamente criteriosos na sua lista de compras, os consumidores encontram-se também atentos às promoções, que registam nesta semana 18 um peso mais próximo do que era registado em finais de fevereiro. Esta tendência promocional deverá continuar nas próximas semanas, pelo que é expectável que as promoções continuem a aumentar relevância no retalho alimentar”.

Publicidade

Condi

Condi conquista selo V-Label

centros comerciais

Portugueses receosos em frequentar grandes espaços comerciais