in

Crédito y Caución prevê que a Ásia recupere o dinamismo em 2022

O crescimento da Ásia viu-se claramente afetado em 2021. O aumento dos casos de Covid-19, devido à variante Delta, e a adoção de novas medidas de confinamento, para controlar os surtos, tiraram impulso à sólida recuperação que se iniciou em 2020.

A maioria das economias asiáticas apresenta taxas de crescimento do PIB decrescentes ou negativas. No entanto, de acordo com o mais recente relatório sobre a Ásia divulgado pela Crédito y Caución, a desaceleração não durará muito. A seguradora de crédito prevê que a recuperação económica seja retomada nos próximos trimestres e que a Ásia volte a ocupar a sua posição habitual como região de maior crescimento do mundo. A política fiscal e a procura externa serão os principais motores de crescimento no fecho de 2021 e em 2022.

As perspetivas de crescimento das distintas economias asiáticas diferem de país para país, dependendo, em grande medida, das suas taxas de vacinação que, antes do verão, estavam claramente atrás da Europa e da América do Norte.

Os efeitos da variante Delta aceleraram as campanhas e a China, Malásia, Japão e, em menor escala, a Coreia do Sul já se aproximam dos níveis alcançados pelos países ocidentais. Neste contexto, a recuperação económica na Ásia voltará a retomar, embora com claras diferenças.

 

China

Na China, o enfoque na “tolerância zero” face aos surtos, juntamente com os problemas do sector imobiliário, levaram os consumidores e as empresas a adotarem uma posição de cautela. No entanto, a Crédito y Caución espera uma recuperação do crescimento no quarto trimestre que eleve o crescimento do PIB para 5% no comparativo anual.

O papel da China nas cadeias de fornecimento internacionais permanece intacto, mas a rivalidade geopolítica com os Estados Unidos e países como a Índia, Japão e Austrália é um risco de baixa.

 

Vietname

Juntamente com a China, o Vietname é a única outra economia relativamente grande da Ásia que não sofreu uma contração do PIB em 2020 e que apresentará taxas de crescimento elevadas tanto em 2021 como em 2022.

Apesar das fortes restrições nas suas principais cidades e do encerramento de várias fábricas devido à pandemia, a recuperação económica continua, impulsionada por um sector exportador próspero.

 

Japão

No Japão, o impacto da nova vaga pandémica nos gastos dos consumidores e no investimento das empresas foi relativamente moderado, apesar do estado de emergência nas suas principais cidades. Os dados das exportações foram sólidos, graças à forte procura mundial de bens de maquinaria.

Prevê-se que a taxa de vacinação, próxima dos níveis de outros países desenvolvidos, e o contínuo apoio fiscal e monetário permitam recuperar o PIB pré-pandemia do Japão em 2022.

 

Índia

Na Índia, os confinamentos locais geraram uma forte contração no segundo trimestre e, após a rápida reabertura da economia, uma forte recuperação no terceiro trimestre. Com os balanços das famílias e das empresas debilitados e com a necessidade de travar a despesa pública, a economia indiana é propensa a sofrer novos retrocessos.

O risco de uma nova vaga que debilite o crescimento é real, dado o baixo nível de vacinação.

 

Coreia do Sul

A economia da Coreia do Sul apresenta-se estável apesar da pandemia, com uma proporção relativamente elevada da população totalmente vacinada e fortes estímulos fiscais. A sólida procura de semicondutores e a recuperação do comércio mundial serão os principais motores do seu crescimento, embora o enfraquecimento da procura por parte da China seja um risco de baixa nas perspetivas.

 

Indonésia

A economia da Indonésia foi afetada pelas medidas de confinamento em vigor nos dois últimos trimestres, embora os estímulos fiscais e monetários possam evitar que volte a cair em recessão. Para 2022, a possível queda dos preços das matérias-primas, mais de metade das suas exportações, é um risco de baixa nas perspetivas económicas.

 

Tailândia

Na Tailândia, onde o turismo representa 20% do PIB, as restrições às viagens foram lastro para o crescimento. Além disso, a escassez mundial de semicondutores perturbou as exportações de automóveis e de artigos de eletrónica. A recuperação não ganhará impulso até meados de 2022, quando grande parte da população estiver totalmente vacinada.

 

Filipinas

As Filipinas também sentem o impacto negativo da pandemia sobre o seu sector turístico. Contudo, um renovado pacote fiscal apoiará a procura interna em 2022, enquanto a despesa extra em infraestruturas ajudará o sector da construção.

 

Malásia

A menor procura externa travou a recuperação económica da Malásia de forma bastante brusca. As perspetivas, no entanto, são bastante boas, graças aos progressos no seu programa de vacinação.

Publicidade

IKEA

Grupo Ingka agredece aos seus colaboradores com presente de 110 milhões de euros

Natal

Como vai ser o Natal dos portugueses em 2021?