in

Como o Alibaba ajudou a Johnson & Johnson a vender Listerine na China?

O Alibaba publicou um “case study” de como ajudou a marca de elixires da Johnson & Johnson, a Listerine, a afirmar-se no mercado chinês através da sua plataforma Tmall. 

Para capitalizar o “romance” entre os consumidores chineses e as marcas ocidentais, a Listerine recorreu ao Centro de Inovação Tmall (TMIC). Esta é a divisão do Alibaba que se dedica ao estudo do mercado B2C, utilizando a informação do consumidor obtida através do ecossistema de plataformas do Alibaba para ajudar as marcas a desenvolver, desenhar e comercializar novos produtos especificamente para os consumidores chineses. 

Os estudos mostram que os rendimentos da classe média na China continuam a crescer, o que também está a potenciar a procura de produtos de saúde, como o Listerine. Dados da Kantar Worldpanel citados pelo Alibaba indicam que, em 2017, as vendas de elixires no mercado chinês cresceram mais rapidamente que os outros 105 produtos na categoria de bens de consumo em rápido movimento. O aumento de 48,6% deveu-se a uma tendência ascendente entre as famílias da classe média, que são responsáveis por grande parte do crescimento do consumo na China. 

A Listerine já era reconhecida nas lojas online e físicas da China, mas a Johnson & Johnson quis ir mais longe em termos de crescimento. Foi assim que, recorrendo aos algoritmos avançados da TMIC, criou os novos sabores Rosemary Blossom e Vanilla Breeze. Estes sabores foram especificamente concebidos para o público feminino, um dos grupos demográficos que mostrou maiores probabilidades de compra de elixir. 

Além disso, a informação da TMIC sobre os elixires na China, juntamente com a retroalimentação dos clientes da plataforma Tmall, permitiu à Johnson & Johnson reduzir o tempo necessário para levar os seus novos sabores ao mercado, algo particularmente importante naquele mercado, onde as preferências dos clientes mudam e evoluem constantemente. 

Publicidade

Publicidade

LG lança sistema de cerveja artesanal com cápsulas

66% das lojas de retalho acreditam que os tablets podem oferecer melhor atendimento ao cliente