in

Combustível é a principal despesa associada ao automóvel para os portugueses

Foto Shutterstock

No momento de comprar um carro, a questão económica e a consideração de todas as despesas associadas ao veículo continuam a ser uma prioridade. Para a globalidade dos inquiridos pelo Observador Cetelem Automóvel 2020, comprar um carro é muito caro (36%) e tem custos de manutenção muito elevados (34%).

Este peso é particularmente sentido em países considerados “emergentes”, como a Turquia, África do Sul e Brasil.

Para a grande maioria dos países inquiridos, o combustível vem em primeiro lugar nas despesas mais elevadas (85%), seguido dos custos de seguro (70%) e de manutenção (54%).

Para os inquiridos portugueses o cenário é muito idêntico: 92% refere que o seu principal gasto é com o combustível, seguido do seguro automóvel (80%). No caso nacional, em terceiro lugar surge ainda o financiamento (14%).

Sobre os elevados preços dos combustíveis, 30% dos portugueses afirmam que raras foram as vezes que desistiram de realizar uma viagem por este motivo, enquanto 12% revela fazê-lo com frequência.

 

77% quer redução de impostos sobre combustíveis

Para reduzir estes gastos, 82% dos condutores portugueses estariam disponíveis a comprar um veículo que consumisse menos combustível; 79% preferia subscrever um seguro mais barato (recorrendo a mediadores), 75% faria a manutenção do veículo fora das redes de marcas do fabricante e 72% evitaria portagens, através da utilização de rotas alternativas.

Adicionalmente, 77% dos inquiridos nacionais referem ainda que preferiam que o Governo reduzisse os impostos sobre combustíveis, de forma a aumentar o poder de compra das famílias. Os restantes 12% preferia que o Governo mantivesse os impostos sobre combustíveis nos níveis atuais. Por outro lado, 11% é da opinião que o Governo deve aumentar os impostos sobre combustíveis para incentivar modos de transporte mais ecológicos e sustentáveis.m, autom

Publicidade

Publicidade

ASAE apreende 2 toneladas de produtos de padaria e pastelaria

64% dos lares portugueses fazem compras em mais de 4 insígnias