in

CEOs da Danone e Migros vão presidir ao conselho do The Consumer Goods Forum

O The Consumer Goods Forum (CGF), o organismo mundial que congrega os interesses do sector dos bens de consumo, elegeu Emmanuel Faber, chairman e CEO da Danone, e Özgür Tort, CEO da Migros Ticaret, para presidir ao seu conselho, com as responsabilidades, respetivamente, pela indústria e retalho.

Os dois gestores vão desempenhar estas funções durante dois anos, substituindo Ian Cook, da Colgate-Palmolive, e Olaf Koch, do Grupo Metro.

Paralelamente, James Quincey, chairman e CEO da The Coca-Cola Company, e Daniel Zhang, CEO do Grupo Alibaba, foram nomeados vice-presidentes.

Emmanuel Faber e Özgür Tort assumem funções numa altura importante para o The Consumer Goods Forum, face à disrupção enfrentada pelo sector. De acordo com o fórum, cada vez mais consumidores, colaboradores e investidores esperam que as empresas tenham um propósito para além dos lucros, ao mesmo tempo que as novas tecnologias estão a criar oportunidades para reformular os modelos de negócio tradicionais. A dimensão e ritmo da mudança tornam a colaboração ao longo da cadeia de valor um elemento essencial, pelo que os novos co-presidentes irão contribuir com a sai experiência nas áreas da indústria e do retalho para unir os membros do The Consumer Goods Forum para dar resposta a questões como o plástico, o desperdício alimentar, a desflorestação, o trabalho forçado, a segurança alimentar, a saúde dos consumidores e o bem-estar dos colaboradores. “A saúde as pessoas e do planeta é o maior desafio do século XXI. Temos de agir já para criar um futuro sustentável e todos os stakeholders devem unir esforços nesse sentido. Estou convencido que a nossa indústria tem um papel decisivo para desempenhar. O The Consumer Goods Forum corporiza uma plataforma única para impulsionar uma mudança positiva através da colaboração ao nível local e global, de modo a reinventar o modelo da indústria”, afirma Emmanuel Faber. “Todos temos consciência que temos de crescer de modo sustentável e responsável de modo a ir ao encontro das expectativas do consumidor e a cumprir com a nossa responsabilidade para com as gerações futuras. É óbvio que isso requer mudanças importantes no modo como fazemos negócios. Toda a mudança envolve vários riscos que temos de enfrentar juntos. Nesta nova era da indústria dos bens de consumo, a colaboração entre todas as partes, incluindo retalhistas, fabricantes, autoridades legais, universidades, organizações não governamentais e plataformas digitais, será fundamental para reforçar o nosso sector e ter um benefício direto nas vidas dos consumidores no futuro”, acrescenta Özgür Tort.

Falta de confiança e prazer de comprar em lojas físicas são as principais razões para os portugueses não comprarem online

E-commerce vale 5,1% das vendas de FMCG