in ,

Cabaz de produtos não alimentares subiu quase 3 euros em janeiro

Foto Shutterstock

O preço de um cabaz de produtos não alimentares encareceu 2,57 euros, no início do ano, o que corresponde a uma subida de 1,01%, revela uma análise do comparador de preços KuantoKusta à variação de preços de artigos de compra recorrente, entre 8 de dezembro de 2022 e 4 de janeiro de 2023.

Na quinzena de 8 a 20 de dezembro, o cabaz de produtos não alimentares analisado pelo KuantoKusta custava, em média, 253,95 euros, sendo que, na quinzena seguinte, os preços a que os mesmos produtos foram vendidos subiram cerca de 1%, para 256,52 euros. O estudo incluiu produtos de compra recorrente de higiene pessoal, cuidados do cabelo, cuidados do corpo, depilação, cuidados da barba e alimentação para animais.

 

Maiores subidas

Os artigos que registaram as maiores subidas de preço médio, neste período, foram o champô, de 12,18 euros para 12,88 euros (5,75%), a lâmina de depilação para mulher, de 8,6 euros para 9,05 euros (5,23%), o gel de banho, de 17,36 euros para 18,02 euros (3,8%) e a pasta de dentes, de 6,64 euros para 6,85 euros (3,16%).

As únicas descidas de preço identificadas pelo KuantoKusta foram no protetor solar, de 22,08 euros para 21,13 euros (-3,8%), e na máscara para o cabelo, de 19,5 euros para 19,47 euros (-0,15%). Além disso, o desodorizante para homem manteve o preço de 10,60 euros.

“Verificamos que, na reta final do ano de 2022 e início de 2023, houve uma oscilação global dos preços. No cabaz em análise, a tendência foi de subida na generalidade dos produtos analisados. Ainda que sejam valores baixos, quando analisados em conjunto, representam um peso adicional para as famílias portuguesas”, explica Ricardo Pereira, diretor de marketing do KuantoKusta.

Apesar do recuo na inflação registado em dezembro, o mesmo responsável alerta os consumidores para que estejam atentos aos preços e promoções praticados pelas lojas, já que os frequentes aumentos do último ano baralharam a perceção dos preços que os portugueses tinham. “É importante estar atento às oscilações de preço e comparar para identificar oportunidades de poupança. Em alguns casos, vale a pena comprar em quantidades, como, por exemplo, nas rações para animais: normalmente, as embalagens maiores apresentam um preço por quilo mais baixo”, destaca Ricardo Pereira

 

Produtos para bebés com descida marginal de preço

O KuantoKusta analisou ainda um cabaz de produtos para cuidados de higiene e alimentação para bebés (0 a 1 anos), tendo sido comparados os preços de 12 artigos, no período entre 21 de dezembro e 4 de janeiro.

Esta seleção de produtos custava 144,64 euros a 4 de janeiro, uma descida de apenas 42 cêntimos (-0,29%) relativamente aos 145,06 euros que o mesmo cabaz custava a 21 de dezembro.

As maiores descidas de preços verificaram-se no creme hidratante (-7,96%), nas toalhitas (-3,19%) e no creme lavante (-2,09%). Em sentido inverso, destacaram-se as subidas de preço no iogurte (11,19%), na escova e pasta de dentes (8,97%)e nas chupetas (2,61%).

O comprador de preços revela ainda que, quando comparado com os preços praticados a 30 de outubro, o cabaz está 0,39% mais caro.

“Apesar de verificarmos, em janeiro, que muitas marcas e retalhistas estão a fazer campanhas dedicadas a produtos para bebés e puericultura, o peso destas é pouco expressivo no cabaz analisado e no total gasto pelos consumidores, pelo que é importante estar atento ao histórico de preços e procurar as oportunidades mais baratas, que nem sempre estão alinhadas com os descontos prometidos pelas lojas”, alerta Ricardo Pereira.

Para o cabaz referido foram selecionados artigos de elevada procura: fraldas, toalhitas, chupetas, creme muda fraldas, estojo de higiene, leite lactente, papa, iogurte, cremes, escova e pasta de dentes.

Vinho do Porto

Consumo de vinho do Porto recupera

Índia

Crescimento na Índia abrandará em 2023