Carlos Ribas esq_Javier Gonzalez dir
À esquerda: Carlos Ribas, representante do Grupo Bosch em Portugal. À direita: Javier González Pareja, presidente do Grupo Bosch em Portugal e Espanha
in

Bosch com 1,7 mil milhões em vendas Portugal

Expansão das unidades de Aveiro, Braga e Ovar previstas para 2022

A Bosch terminou o ano fiscal de 2021 com vendas no valor de 1,7 mil milhões de euros, em Portugal, incluindo vendas de empresas não consolidadas e serviços internos a empresas parceiras, correspondendo a um crescimento de cerca de 5% em relação ao ano anterior.

No mercado local, a Bosch registou vendas consolidadas de 346 milhões de euros, 14% acima do nível de 2020. “2021 foi mais um ano difícil e que exigiu muito de todos. Os resultados positivos alcançados espelham a dedicação e o profissionalismo dos nossos colaboradores, que contribuíram para o crescimento geral da Bosch em Portugal. O meu agradecimento pessoal a todos eles”, afirma Javier González Pareja, presidente do Grupo Bosch em Portugal e Espanha. “Vindos de dois anos com as incertezas causadas pela pandemia e os constrangimentos da situação da escassez dos semicondutores, conseguimos um desempenho global positivo, recuperando para os níveis pré-pandemia”, reforça Carlos Ribas, representante do Grupo Bosch em Portugal.

Relativamente às perspetivas para este ano, Carlos Ribas indica que com base nos quatro primeiros meses do ano, é esperada uma evolução positiva em Portugal. “Vamos continuar a crescer, principalmente, nas áreas de I&D e serviços partilhados e expandir quer as nossas instalações, quer as parcerias de inovação com centros de conhecimento e competências em Portugal. No entanto, a conjuntura internacional atual faz com que seja necessário sermos cautelosos nas previsões para o ano“.

 

Investimento

A Bosch mantém-se como um dos maiores empregadores e exportadores no país, com um nível de exportação superior a 97%, com mais de 50 países em todo o mundo a importar soluções produzidas em Aveiro, Braga e Ovar e serviços prestados desde Lisboa para o mundo.

A 31 de dezembro de 2021, a empresa contava com 5.788 colaboradores no país, sendo que deste número fazem parte cerca de 900 engenheiros (mais 250 que em 2020) nas equipas de investigação e desenvolvimento (I&D) dedicados a criar soluções para a mobilidade, casas e cidades inteligentes.

Em 2021 os investimentos em I&D atingiram os 50 milhões de euros. “A I&D tem sido a nossa grande aposta, nos últimos anos, e pretendemos continuar nesse caminho, reforçando as nossas parcerias com os centros de saber e de competências em Portugal e continuando a contratar perfis altamente especializados. Uma aposta que se materializa nas mais de 350 vagas que temos disponíveis para os centros de desenvolvimento nas várias unidades da Bosch no país e que iremos preencher no ano atual”, afirma Carlos Ribas. “Em 2021 alocámos cerca de 50 milhões de euros à criação de soluções tecnológicas inovadoras e submetemos o registo de mais de 50 patentes relativas aos resultados de alguns dos maiores projetos de inovação em Portugal. Assinámos ainda novas parcerias com universidades portuguesas, dando, um claro sinal de que a Bosch pretende continuar a investir no país”.

 

Desenvolvimento das áreas de negócio em Portugal

A área de soluções de mobilidade, que foi fortemente afetada, nos últimos dois anos, devido às paragens forçadas causadas pela pandemia e pela escassez de componentes eletrónicos no mercado, registou um ligeiro decréscimo de 5% relativamente ao ano passado. Ainda assim, a empresa industrializou e iniciou a produção de um novo radar, que irá contribuir para o aumento das vendas internas já este ano.

A área de negócios de energia e tecnologia de edifícios teve um desenvolvimento muito positivo, com as unidades de Aveiro e Ovar a registarem os melhores resultados de sempre, em 2021. Em Ovar, uma localização com foco em tecnologias de videovigilância, intrusão e comunicação, a Bosch teve um aumento de 36% nas vendas relativamente ao ano anterior. Este crescimento no negócio refletiu-se também num aumento de mais de 15% no total de colaboradores, um reforço que advém da aposta na área de I&D desta unidade, que recentemente integrou novas equipas para desenvolvimento de soluções para eBike e casas inteligentes, além das equipas que já trabalhavam em sistemas de deteção de incêndios, videovigilância ou comunicação e ferramentas elétricas

Também a unidade da Bosch em Aveiro, dedicada à produção de soluções de água quente através de esquentadores, caldeiras e bombas de calor, registou um crescimento de 26%, o maior dos últimos anos. No ano passado, esta unidade criou ainda a primeira gama de soluções elétricas para o aquecimento de águas residenciais totalmente desenvolvida em Portugal e exportada para todo o mundo. Além disso, destaque também para a aposta da Bosch em Aveiro na tecnologia de bombas de calor, com o investimento de cinco milhões de euros em instalações de teste para desenvolvimento desta solução e na instalação da nova linha de produção, que deverá arrancar, no primeiro semestre de 2023, e que irá criar 300 novos postos de trabalho nesta unidade.

A unidade Service Solutions, em Lisboa, dedicada à prestação de serviços nas áreas de experiência de cliente, mobilidade, monitorização e processos de negócio, registou um crescimento de 15%, ultrapassando o volume de negócio anterior à pandemia. Esta unidade continua a crescer através da implementação de serviços baseados em tecnologia, tornando Lisboa um centro de competências internacional para fornecer serviços complexos de suporte a elevadores, serviços multilingues de experiência de cliente e suporte técnico e de IT especializado.

Por fim, a área de bens de consumo, que engloba os eletrodomésticos e as ferramentas elétricas, teve um crescimento de 16% em 2021, contribuindo, igualmente, para os bons resultados no país.

 

Expansão de Aveiro, Braga e Ovar em 2022

O investimento da Bosch em Portugal, para este ano de 2022, deverá rondar os 100 milhões de euros. Falamos de um investimento continuado para consolidar os nossos negócios no país, seja através dos projetos de inovação que desenvolvemos, na sua grande maioria, em parceria com as universidades do Minho, do Porto e de Aveiro, seja na expansão das nossas unidades. É este trabalho e os resultados que temos vindo a apresentar que nos permitem continuar a atrair negócios e, consequentemente, a manter e a gerar postos de trabalho, o que faz da Bosch um dos maiores empregadores e exportadores do país”, reforça Carlos Ribas.

Em Ovar, está a ser ultimada a inauguração das novas instalações que vão albergar as equipas de I&D e permitir a contratação de cerca de 50 novos colaboradores, até ao fim de 2022. Em Aveiro, as equipas preparam um novo edifício para logística e áreas comuns para os colaboradores. A Bosch está, ainda, a planear a ampliação das instalações em Braga, com a construção de dois novos edifícios para aumentar a capacidade de I&D e a capacidade produtiva e tecnológica.

A Bosch tem mostrado uma excelente performance em Portugal, nos últimos anos. O grupo acredita em Portugal no talento dos portugueses, o que nos traz segurança e confiança para o futuro, mesmo numa conjuntura difícil como a atual. Vamos continuar a contratar perfis especializados e a expandir as nossas áreas de produção e escritórios, continuando a fazer da I&D um dos pontos fulcrais das nossas atividades“, afirma Javier González Pareja.

Rússia

Invasão russa da Ucrânia causou crise “massiva” de segurança alimentar, diz a FAO

Moda sustentável

Preço é a principal barreira ao consumo de moda sustentável