in

Bohemia assume utilização exclusiva de cevada do Alentejo

Cevada do Alentejo

A Bohemia apresenta a sua mais recente novidade, a Bohemia Pilsener Cevada do Alentejo, uma cerveja leve, refrescante e muito versátil, fabricada com 100% de cevada do Alentejo, numa homenagem e estímulo à produção de cevada dística nesta região de Portugal, conhecida com o “celeiro do país” e que apresenta regularmente características de qualidade excecionais.

Especialmente desenhada para acompanhar com pratos do dia-a-dia e petiscos, a Bohemia Pilsener Cevada do Alentejo tem um perfil organolético, onde a doçura do malte equilibra com o amargor do lúpulo, a cor clara, o aroma, a textura e o teor alcoólico de 5,7%.

O processo de utilização de cevada 100% do Alentejo foi auditado e certificado pela Associação Nacional de Produtores de Proteaginosas, Oleaginosas e Cereais (ANPOC), com a marca “Cereais do Alentejo”, evidenciando-se nos rótulos de Bohemia Pilsener Cevada do Alentejo esta distinção e respetivo selo.

Nas embalagens da Bohemia Pilsener Cevada do Alentejo constará ainda como homenagem a esta região e aos seus naturais, imagens alusivas a um sobreiro e ao traçado das típicas mantas alentejanas.

Bohemia Pilsener Cevada do Alentejo

A cevada dística utilizada na produção da Bohemia Pilsener Cevada do Alentejo é fornecida por produtores regionais certificados e associados do Agrupamento de Produtores de Cereais do Sul (CERSUL).

Reconhecendo o compromisso e o apoio aos produtores alentejanos, José Maria Rasquilha, administrador da CERSUL e da ANPOC, afirma que “estamos a viver um período em que é fundamental a união de esforços de apoio à economia local e este lançamento ajuda a mitigar as dificuldades que os produtores da região do Alentejo atravessam”.

A nova Bohemia Pilsener Cevada do Alentejo deve ser consumida entre os 4ºC e os 8ºC e está disponível em garrafas 33cl OW e para o canal Horeca ainda em barril de 30 litros.

Vinhos do Tejo

Vinhos do Tejo continuam a crescer

Insolvências

Insolvências devem crescer acima de 30% na Índia