in

Bebidas Energéticas – Presente e Futuro

Momento chave na mudança dos estilos de vida e, consequentemente, dos hábitos de consumo dos portugueses, os anos 90 do século passado abriram diferentes necessidades, potencialidades e mercados, entre os quais o das bebidas energéticas.

Passámos do desconhecimento total sobre o que é uma bebida energética (“Mas isso não equivale a dez cafés?”, perguntavam-me não assim há tantos anos…) ao reconhecimento e respeito pela categoria, com a Red Bull a desbravar terreno e a assumir a liderança absoluta desde o primeiro dia.

No final dos anos 90, surgiu em Portugal o produto certo para uma série de ocasiões de consumo: para trabalhar, estudar, conduzir, praticar desporto ou, simplesmente, para dançar até ao nascer do sol.

Passando a imodéstia, pois sou parte desta história, a Red Bull tem feito um trabalho pioneiro no desenvolvimento não só do mercado de bebidas energéticas, mas também em outras áreas, como o desporto, cultura ou criação de conteúdos. O que seria de modalidades como o Freestyle Motocross, o Cliff Diving ou as Air Races sem a Red Bull? Não sei se melhor ou pior, mas seriam diferentes com certeza. Neste momento, a Red Bull é muito mais que “apenas” uma empresa de bebidas. É também uma marca global de media, que continua a inovar e a criar valor para todos: para a marca, para os parceiros e para o consumidor. A Red Bull continua e continuará a dar asas a pessoas e ideias.

Mas existe uma pergunta difícil a fazer: olhando, neste momento, para trás, será que foi realizado um bom trabalho no lançamento e desenvolvimento da categoria de bebidas energéticas em Portugal?

Existem duas respostas a esta pergunta: uma fácil e outra mais polarizadora, que nos deve deixar a pensar e desafiar a fazer sempre melhor. A primeira é: sim, foi. Com taxas de crescimento extraordinárias e contínuas desde que surgiu, a categoria de bebidas energéticas termina 2016 a crescer mais de 10% em “sell-out” no retalho (hipermercados e supermercados) e 17% em Horeca. Uma dinâmica extraordinária na categoria de bebidas, ainda mais quando algumas categorias clássicas de refrigerantes sofrem quedas constantes, principalmente nos últimos anos. E não falo sequer dos resultados dos indicadores da Red Bull como marca líder, seja a nível de notoriedade (99% no “target”) ou paixão de marca (à volta de 70%).

A segunda resposta é mais crítica: sim, mas não totalmente. A categoria continua a ser algo desconhecida para algumas pessoas, por falta de conhecimento dos produtos e seus ingredientes (quantas pessoas sabem realmente o que é a taurina e como pode contribuir para melhorar a sua performance física e/ou mental?), resultando numa ainda baixa penetração nos lares portugueses (4%!), quando comparado com outros mercados semelhantes ao português. Foi efetivamente realizado um trabalho de base, mas ainda há muito a fazer.

Isso deixa-nos um desafio no ar e uma nova pergunta: e o futuro?

O futuro é altamente promissor, com um potencial ainda maior. Portugal acompanha a tendência global de crescimento da categoria, com uma projeção extremamente positiva, na ordem dos dois dígitos, nomeadamente com o lançamento de novos produtos, novos conteúdos e a consequente expansão da base de distribuição e consumo.

Há quem não acredite em futurologia. Eu acredito. Afinal, somos nós que construímos o nosso futuro. Ainda bem que temos asas…

André de Carvalho, General Manager da Red Bull Portugal

Este artigo foi publicado na edição 44 da Grande Consumo.

Publicidade

Publicidade

Inflação na zona euro cai em maio

Dachser inaugura novo armazém perto da cidade austríaca de Linz