in

Adecco prevê que a pandemia mudará o mundo do trabalho para sempre

Alain Dehaze, CEO do The Adecco Group, partilhou alguns “insights” de como a pandemia Covid19 mudará o mundo do trabalho, para sempre.

A questão imediata é, de acordo com Alain Dehaze, o impacto na saúde e no bem-estar das pessoas e isso precisa ser a prioridade de todos. Além da crise imediata, é difícil prever com que rapidez a economia global se recuperará dessa situação e em quanto tempo se conseguirá retornar a algum tipo de normalidade.

No entanto, é provável que essa normalidade seja diferente do que estávamos acostumados e, como parte disso, é provavelmente o começo de uma transformação fundamental no mundo do trabalho. A Adecco responde por isso a duas importantes questões: qual será o impacto do Covid-19 nos empregos e no trabalho? E como podemos preparar-nos para a inevitável evolução do mercado de trabalho quando a crise passar?

Agora é a hora dos empregadores se apoiarem e se anteciparem à transformação do mercado de trabalho. As empresas que florescerão num mundo pós-pandemia são aquelas com a força de trabalho mais resiliente. Embora a situação continue a evoluir diariamente, já se podem apontar três tendências e questões emergentes: o trabalho remoto está aqui para ficar, as competências de liderança evoluirão e a necessidade de um novo contrato social é maior do que nunca.

Enquanto as empresas se esforçam para manter a continuidade, “trabalhar em casa” está a tornar-se o novo normal e Alain Dehaze sublinha que o trabalho remoto chegou para ficar. Isso levará a uma infinidade de alterações no local de trabalho, afetando o trabalho em equipa, a produtividade, a colaboração e a comunicação, o que nos forçará a fazer algumas perguntas sobre o quão bem estávamos a aproveitar a tecnologia virtual antes do ataque do coronavírus.

Pesquisas mostram que trabalhar virtualmente pode gerar melhorias de produtividade até 43%, mas isso deve ser feito de maneira eficaz. Muitas empresas resistiram a “trabalhar de casa” por várias razões, mas a crise atual talvez tenha provado que pode funcionar.

Portanto, este é o momento de capacitar as pessoas para operar com mais eficiência num mundo mais virtual e alinhado às tendências do sector mencionadas anteriormente. Já estamos na era da revolução do reskilling e a pandemia apenas acelerará a necessidade de atualizar as competências digitais da força de trabalho, em preparação para uma grande mudança na forma como as empresas operam.

Os gestores precisam concordar com as novas regras de relacionamento entre os membros da equipa para integrar rotinas e rituais que suportam ligação, colaboração, produtividade e bem-estar, como reuniões virtuais diárias e check-ins mais frequentes.

Em conjunto com a competência digital e a infraestrutura aprimorada, a cultura corporativa em direção ao trabalho remoto também deve evoluir para apoiar essa prática. Deve ser modelada e reforçada a partir do topo para garantir que não haja medo de reações em níveis mais baixos.

Ao mesmo tempo, a coragem de qualquer líder é verdadeiramente testada numa crise e este é um desafio raro. Já sabemos há algum tempo que há uma evolução das competências de liderança em curso, à medida que transformação e interrupção se tornam o novo normal. A pandemia está agora a ampliar a necessidade de um novo conjunto de competências e capacidades de liderança. Porquê? Porque na era pós-pandémica, trabalharemos de uma maneira totalmente diferente. Antes da pandemia, a maioria das empresas tinha trabalhadores sob o mesmo teto ou, no caso de multinacionais. sob vários telhados grandes. No mundo pós-pandemia, onde o trabalho remoto se torna o novo normal, os líderes precisam de aprender a liderar remotamente, em vez de centralizar.

Os líderes precisarão de uma nova “caixa de ferramentas para a liderança de uma força de trabalho remota. Alguns fundamentos organizacionais serão críticos para os líderes alinharem, motivarem e acompanharem de perto os projetos e o desempenho. Estes incluem uma cultura forte, valores profundamente arraigados, excelentes capacidades de comunicação e recursos, sistemas e processos abrangentes de geração de relatórios.

E no lado das competências pessoais, os líderes que conseguirão conduzir as suas organizações pela mudança que aí vem são aqueles que são ágeis, orientados para o exterior, com uma mentalidade disruptiva e que possuem habilidades de construção de relacionamentos que podem criar inclusão em diversas equipas e geografias.

Finalmente, a mudança no mercado de trabalho aumentou o número de trabalhadores flexíveis, mas a pandemia expôs a vulnerabilidade desses trabalhadores numa crise. É encorajador ver alguns governos a aplicar subsídios legais por doença a trabalhadores independentes, por exemplo, assim como empresas que estão a estender a proteção aos seus funcionários freelancers ou temporários. No entanto, essas medidas de emergência destacam que precisamos de um novo contrato social para garantir que todos os trabalhadores, particularmente aqueles em diferentes formas de trabalho, tenham a rede de segurança social de que precisam.

Neste ponto, é difícil ver o fim da atual crise. Ninguém sabe quanto tempo vai durar ou quantas pessoas serão afetadas. O mais claro é que, quando o mundo sair do outro lado, a maneira como trabalhamos terá mudado para sempre. Com consideração e planeamento, empresas e indivíduos podem preparar-se para estar na frente da curva.

Cabriz Reserva Tinto 2015 recebe 92 pontos na Wine Enthusiast

Sector agroalimentar lança movimento para agradecer a quem assegura os alimentos nas