in

Abrandamento económico e aumento dos investimentos afetam desempenho da Henkel

Em 2019, o nosso desempenho comercial foi globalmente misto. A nossa unidade de negócios de Adhesive Technologies foi impactada pela desaceleração acentuada nos segmentos chave de clientes, em particular na indústria automóvel e eletrónica. Ao mesmo tempo, as nossas unidades de negócio de consumo, Laundry & Home Care e Beauty Care, enfrentaram uma intensa concorrência em muitos mercados”.

É deste modo que Carsten Knobel, CEO da Henkel, resume o exercício de 2019, em que as vendas aumentaram nominalmente em 1,1%, para os 20.114 milhões de euros. Os efeitos cambiais tiveram um impacto positivo de 0,6%, pelo quer, ajustadas por esses efeitos, as vendas cresceram 0,5%.

O crescimento orgânico das vendas, que exclui o impacto dos efeitos cambiais e das aquisições/desinvestimentos, ficou estável.  A unidade de negócios de Adhesive Technologies registou um desenvolvimento orgânico das vendas de -1,5% e na unidade de negócios de Beauty Care, as vendas estiveram 2,1% abaixo do nível do ano anterior. Já a unidade de negócios de Laundry & Home Care alcançou um crescimento orgânico de 3,7%.

Os mercados emergentes evoluíram 2,5% e foram os principais impulsionadores do desenvolvimento das vendas orgânicas. Os mercados maduros reportaram um desenvolvimento o negativo 1,6%.

Organicamente, as vendas na Europa Ocidental foram 1,2% abaixo em relação ao ano anterior. A Europa Oriental alcançou um crescimento orgânico de 6,5%. Em África/Médio Oriente, as vendas cresceram organicamente em 13,3, a América do Norte registou um desenvolvimento negativo 2,3% e na região Ásia-Pacifico diminuíram 6,5%. Já na América Latina, as vendas cresceram organicamente 4,9%.

O lucro operacional ajustado (EBIT) diminuiu 7,9%, de 3.496 milhões de euros no ano anterior para 3.220 milhões de euros. O lucro líquido ajustado, após deduzir as participações não maioritárias, foi de 2.353 milhões de euros, em comparação com 2.603 milhões de euros no exercício fiscal de 2018. “No início de 2019, anunciámos o nosso plano de aumentar, a partir de 2019 em diante, os investimentos em crescimento em cerca de 300 milhões de euros anualmente, para fortalecer as nossas marcas, tecnologias e inovações, além de acelerar a transformação digital de Henkel”, explica Carsten Knobel. No decorrer do ano, a Henkel aumentou gradualmente esses investimentos de crescimento em toda a empresa, mas o financiamento adicional não foi totalmente utilizado. Tanto o declínio dos volumes, como o aumento dos investimentos em crescimento impactaram os resultados e a margem EBIT em 2019. “Continuamos também a investir na expansão e na atualização das fábricas e dos centros de inovação. Além disso, fortalecemos as nossas diferentes unidades de negócios através de aquisições e parcerias direcionadas, com um volume total de quase 600 milhões de euros”.

As perspetivas para o ano fiscal de 2020 estão em linha com o anunciado em dezembro de 2019 e a Henkel espera gerar um crescimento orgânico das vendas de 0% a 2%.

Publicidade

Publicidade

Alimentaria adiada para setembro

Parfois aplica medida preventiva de quarentena na sua sede de Rio Tinto