in

AB InBev aumenta lucro em 50,3% após um ano de fusão com a SABMiller

O lucro líquido da AB InBev cresceu 50,3% nos primeiros nove meses de 2017, para atingir 5.913 milhões de dólares (5.000 milhões de euros), frente aos 3.934 milhões de dólares (3.326 milhões de euros) alcançados no mesmo período do ano passado.

A empresa belga publicou os dados, depois de ter comemorado, em 11 de outubro, o primeiro aniversário da fusão com a antiga rival SABMiller, operação que lhe permitiu ter marcas como Foster’s ou Coors. De acordo com a empresa, a integração dos dois negócios continua a “avançar bem” e alcançou sinergias e economias de custos no terceiro trimestre, no montante de 336 milhões de dólares (284 milhões de euros). “Ao entrar nos últimos meses do ano, esforçar-nos-emos por ter um bom final“, afirmou em comunicado.

Entre janeiro e setembro, o lucro operacional bruto (EBITDA) normal cresceu para 15.895 milhões de dólares (13.445 milhões de euros), contra 14.385 milhões de dólares (12.167 milhões de euros) em 2016.

O lucro operacional líquido (EBIT) normalizado foi de 12.741 milhões de dólares (10.776 milhões de euros), contra 11.374 milhões de dólares (9.619 milhões de euros) cobrados de janeiro a setembro do ano passado.

No que diz respeito à faturação, a AB InBev registou um aumento de 5,3%, para 41.844 milhões de dólares (35.382 milhões de euros), enquanto o lucro por ação passou de 2,40 dólares (2 euros) para 3 dólares (2,5 euros).

A AB InBev também anunciou os resultados do terceiro trimestre, onde alcançou um lucro líquido de 2.582 milhões de dólares (2.122 milhões de euros), 89,4% mais que nos mesmos três meses do ano anterior, quando obteve 1.363 milhões de dólares (1.152 milhões de euros). A empresa atribuiu esse crescimento ao aumento orgânico do EBITDA e a menores custos financeiros líquidos, parcialmente compensados pela maior despesa de imposto sobre receitas.

O nosso negócio continuou a funcionar bem neste trimestre, com o crescimento de 3,6%, impulsionado pelo prémio de gestão de receitas e iniciativas de produtos ‘premium’, reforçado pelos resultados das nossas três marcas globais (Budweiser, Stella Artois e Corona), em particular, fora de seus mercados locais“, acrescentou a AB InBev na declaração.

De facto, a faturação combinada da Budweiser, Stella Artois e Corona cresceu 1,6% no terceiro trimestre e 7,3% nos primeiros nove meses de 2017. No entanto, o volume de negócios da Budweiser caiu 2,2%, apesar do aumento de 4,4% fora dos Estados Unidos, liderado pelo Brasil, Coreia do Sul e Chile. Quanto à Stella Artois, o volume de negócios cresceu 0,9% graças, sobretudo, ao crescimento sustentado na Argentina e no Brasil, enquanto a Corona registou um aumento de 9,6% no seu volume de negócios (11,2% fora do México) com fortes aumentos na China, Colômbia e Equador.

Apesar do “forte crescimento” no volume de cerveja vendido no México, Argentina e África, as discretas figuras do Brasil e dos Estados Unidos levaram a uma queda de 1,5% no volume total de cervejas comercializado pela AB InBev. Em qualquer caso, a empresa está confiante de que o aumento do volume de negócios no Brasil, durante o terceiro trimestre, indica “um retorno ao crescimento sustentável de uma posição de mercado fortalecida” no sector de cerveja e permanecer “com cautela otimista” em relação à economia brasileira.

Entre julho e setembro, o lucro bruto operacional bruto (EBITDA) atingiu 5.733 milhões de dólares (4.851 milhões de euros), contra 5.039 milhões de dólares (4.264 milhões de euros) no mesmo trimestre de 2016.  Enquanto isso, o lucro por ação passou de 0,83 dólares (0,70 euros), no terceiro trimestre do ano passado, para 1,31 dólares (1,10 euros) no mesmo período de 2017.

Publicidade

comércio

Aqui É Fresco atinge as 800 lojas

Ferrero muda a receita de Nutella