in ,

“A OKI está a preparar-se para o futuro”

Fruto de uma estratégia de globalização do Grupo OKI, em 1984, a OKI estabelecia-se na Europa, mais concretamente em Düsseldorf. Com uma experiência de mais de 60 anos, a empresa dedica-se à criação de produtos para a promoção da impressão de materiais de comunicação “in-house”, de forma a aumentar a eficiência das empresas de hoje e do futuro. Atualmente, a OKI continua a inovar, apresentando soluções para diversos negócios e orçamentos.

É uma das principais marcas de impressão da Europa, no que a valor e unidades vendidas diz respeito. A OKI disponibiliza soluções avançadas de impressão, introduzindo tecnologias que apoiam as necessidades de grandes e pequenas empresas. O desenvolvimento pioneiro de tecnologia de impressão digital LED, por exemplo, fez com que se destacasse no mercado, através da disponibilização de dispositivos de impressão “eco-friendly” de alta definição. Para Javier López, General Manager Vertical Industry Propositions & Marketing da OKI Europe, uma das grandes apostas da empresa é a incorporação de tecnologias de realidade virtual e realidade aumentada no seu processo de vendas de soluções para o retalho.

Através do site da empresa, é possível ver como os posters, banners, entre outros suportes, ficariam em cada loja antes de serem impressos. “Com isto, conseguimos explicar a nossa proposta de valor no retalho, que é o que temos trabalhado no meio físico. Para nós, é um novo canal de venda e são estas características que ajudam a demonstrar como as nossas soluções impulsionam os negócios dos nossos clientes. A OKI está a preparar-se para o futuro. Estamos a apostar nestas tecnologias, porque vemos que há aí uma oportunidade e é importante que acompanhemos a tecnologia para melhorar o nosso “core business”, a impressão”, afirma.

O ano de 2017 foi para a OKI positivo, com os mercados do sul da Europa a recuperarem da recessão sentida nos últimos anos. Apesar da crise que afetou Portugal, Espanha, França e Itália, a empresa não encara o período como difícil, mas sim como uma oportunidade de melhorar as suas propostas. “Temos cada vez mais projetos e com maior volume. Durante estes anos, procurámos melhorar as nossas propostas e observamos agora que, com a recuperação económica, os clientes estão a exigir-nos soluções que ajudem a conseguir maximizar as suas qualidades”, explica.

A importância do papel
Acérrimo defensor do papel, Jávier Lopez não tem dúvidas sobre a força deste, acreditando que o formato continua a ter um poder maior que a tecnologia. Especialistas em impressão, mais do que a dimensão dos suportes, o segredo parece estar na qualidade da impressão. A publicidade impressa continua a ser das mais relevantes, apenas atrás dos spots publicitários em televisão e à frente do online. De acordo com um estudo da Thinkbox, o retorno no papel é de cerca de três euros por cada euro investido, mais do que no caso da publicidade em redes sociais, por exemplo, onde ronda os dois euros. “Continuo a acreditar que não há nada como o papel. É o mais relevante, retemos melhor o que vemos em papel. O impacto e o nível de atenção são muitíssimo maiores em papel do que em digital e é por isso mesmo que continuamos a apostar em impressão. A comunicação é agora mais importante do que nunca, é necessário que os canais analógico e digital convivam em conjunto”, acrescenta.

O mote da OKI para o retalho parece simples: ajudar com as suas soluções impressas a impulsionar os negócios dos clientes. “Existe um cliente nosso que explica perfeitamente o poder das nossas soluções. O cliente tinha excesso de stock de um determinado produto. A solução mais fácil no retalho seria reduzir o preço de forma a conseguir escoá-lo. No entanto, a OKI propôs um caminho diferente. Colocámos um banner com elevada qualidade de cor que imediatamente chama à atenção para o produto. É nisso que OKI está concentrada, é essa a nossa comunicação, conseguir que o produto se venda, sem se reduzir o preço”.

E se à primeira vista esta seria uma solução apenas viável para grandes retalhistas, a OKI acredita que existem soluções para os diferentes negócios, sejam micro ou macro empresas. Se para retalhistas de maior dimensão a oferta passa por uma impressão centralizada, com a impressão a ser feita por grandes máquinas, devido às quantidades necessárias, no caso do pequeno comércio, a solução passa por uma impressão descentralizada. Esta acontece “in-house”, permitindo ao cliente que ele próprio imprima os seus A3, evitando os custos de distribuição sem nunca descurar a qualidade da impressão.

Um dos grandes objetivos da OKI é, precisamente, romper o estigma de luxo associado a este tipo de serviços. “Existem preços tanto para a grande distribuição como para o pequeno comércio. O estigma de que este tipo de oferta tem um custo elevado não é exclusivo do pequeno comércio em Portugal, é sim um ‘problema’ do pequeno comércio em geral. É sempre mais difícil que a nossa comunicação chegue a estes negócios mais pequenos e é por isso mesmo que a OKI está a apostar no lançamento da informação online. Assim, seja um pequeno ou um grande empresário, que tenha essa necessidade, pode pesquisar, ver informações e exemplos e depois contactar-nos. É um trabalho de comunicação nosso, para incluirmos todos”, explica Jávier Lopez.

Depois do lançamento da Pro6410 Neon Color, com a introdução de tecnologia de toner branco, em 2016, e mais recentemente a melhoria da impressão monocromática, tornando-a mais acessível com tecnologia LED, a OKI prepara-se para mais novidades este ano. Em 2018, passa também a ter as cores prateado e dourado e entra ainda no formato de impressão de etiquetas. “O ano de 2017 foi muito positivo, observámos que os nossos consumidores estão com maior poder de compra. Se 2018 não for melhor, pelo menos que seja igual”, conclui.

Este artigo foi publicado na edição n.º 49 da Grande Consumo.

Publicidade

Publicidade

Quais são os retalhistas mais produtivos da Europa?

Continente é Marca de Confiança Ambiente 2018