in ,

64% das pessoas mudou as suas rotinas de limpeza de pele no último ano

O ano que passou alterou quase todos os aspetos das vidas diárias e os cuidados com a pele não foram exceção. De acordo com os resultados de um estudo da CeraVe, conduzido online pela IPSOS em 23 países e com mais de 10.100 participantes, 64% das pessoas diz que as suas rotinas de limpeza de pele se alteraram, nos últimos 12 meses.

No contexto deste “novo normal” da higiene, o acesso a informações dermatológicas confiáveis é mais importante. Contudo, durante o mesmo período, apenas 11% das pessoas recebeu informação sobre limpeza de pele diretamente de um dermatologista, com a maioria dos participantes a contar com família e amigos e com as redes sociais para alimentar os seus conhecimentos sobre limpeza de pele e escolha de rotinas.

Para minimizar esta lacuna de conhecimento, CeraVe acaba de lançar a campanha #CleanseLikeADerm, para partilhar conhecimento confiável e relevante sobre limpeza facial através dos canais em que as pessoas mais confiam.

 

Efeito da pandemia na limpeza facial 

Com as alterações de hábitos diários e circunstâncias de saúde no último ano, a maioria das pessoas um pouco por todo o mundo procurou uma nova rotina de limpeza facial. O estudo global de CeraVe revelou que a vasta maioria das pessoas (90%) reportou que a sua vida diária foi impactada pela pandemia e 28% experienciou mudanças na saúde geral da sua pele, devido a fatores relacionados com a pandemia. Estas mudanças afetaram o ato da limpeza facial, com 64% das pessoas a reportar ter alterado os seus hábitos de limpeza facial no último ano.

A devida limpeza facial é o primeiro passo crucial para uma rotina de cuidados de pele eficaz”, diz o dermatologista Ted Lain. “É importante que os pacientes consultem o seu dermatologista para selecionar um produto de limpeza de rosto com um pH equilibrado, sem perfume e com ingredientes de ação calmante que não prejudiquem a barreira cutânea”.

 

Conselho dos dermatologistas

No decorrer deste movimento de alteração de rotinas de limpeza facial, a maioria das pessoas não recebeu informações de um dermatologista. Apesar de 59% das pessoas acreditar que o conselho de um dermatologista beneficiaria a sua pele, apenas 11% recebeu aconselhamento de um dermatologista sobre a adequada limpeza facial no mesmo período. Na verdade, 37% dos participantes não pensou em pedir conselhos sobre limpeza facial ao visitar um dermatologista. E embora os consumidores possam encontrar informações úteis online, é fácil cometer erros quando as fontes utilizadas não são suportadas pelo conselho de um dermatologista ou especialista: 69% dos inquiridos utiliza água quente e morna para lavar o rosto, 42% utiliza apenas água para limpar o rosto, 31% sentem a pele ressequida após a limpar, o que pode indicar uma barreira cutânea danificada, 30% considera que a limpeza da pele não pode ajudar a reparar a sua barreira cutânea.

 

Fontes de informação

Em detrimento de procurarem o aconselhamento de dermatologistas, cada vez mais os consumidores obtêm informação por via dos canais digitais. Quase metade dos participantes (44%) afirmou ter aumentado o seu consumo de social media este ano e 48% disse que a imprensa e fontes online foram as suas principais fontes de informação para aconselhamento sobre a limpeza facial adequada. No ano passado, a imprensa e fontes online foram até mais influentes para os participantes deste estudo do que as recomendações diretas de família e amigos.

Contudo, apesar deste aumento da influência dos media digitais sobre os seus hábitos de limpeza facial, os participantes reconheceram a necessidade de selecionar cuidadosamente os conteúdos nos quais confiam. Dois em cada três participantes (67%) concordaram que os conselhos sobre cuidados de pele que encontram online nem sempre são precisos e fiáveis.

 

#Cleanselikeaderm

Em julho, CeraVe quer levar até aos consumidores mais conhecimento sobre limpeza facial suportado por dermatologistas, através da sua campanha digital #CleanseLikeADerm. “Da mesma forma que os nossos produtos são desenvolvidos com dermatologistas, trabalhámos em conjunto com os nossos parceiros dermatologistas para desenvolver todas as facetas desta campanha”, refere Penelope Giraud, Global General Manager CeraVe. “O nosso objetivo é educar os consumidores ao trazer-lhes diretamente ‘insights’ de dermatologistas através dos canais que mais utilizam”.

O estudo revelou resultados positivos para aqueles que seguiram o conselho de um dermatologista para elaborarem as suas rotinas de limpeza. Estes participantes tendem a ter melhores rotinas, incluindo lavar o rosto diariamente e utilizar produtos de limpeza facial que têm maior probabilidade de ter um pH equilibrado, ser testados para alergias ou sem perfume, e têm melhores hábitos de cuidados de pele após a fase da limpeza. Eram também duas vezes mais propensos a relatar melhorias na saúde da sua pele durante o mesmo período: 59% utiliza um produto de limpeza facial, 76% sente que o produto de limpeza manteve a sua barreira cutânea e 25% reportou que a saúde da sua pele melhorou no último ano.

Publicidade

AMRR

Incrementar a frequência da visita será fundamental para a recuperação do sector da restauração

METRO adere ao código de conduta da União Europeia para práticas comerciais e de marketing responsáveis e traça o seu próprio objetivo climático