in

6 em cada 10 portugueses valorizam agora mais os abraços, beijos e afetos do que antes da pandemia

A pandemia obrigou todos os portugueses a mudarem os seus hábitos e rotinas, o que antes era normal, como viajar, dar um abraço ou mesmo um beijo, é agora um dos momentos mais ansiados e desejados. De acordo com o estudo efetuado em oito países da Europa, os portugueses são os europeus que passaram a valorizar mais os abraços e os beijos nas pessoas que amam.

65% dos portugueses passou a dar maior importância às manifestações de afeto após a pandemia, à frente da Espanha (57%), da Roménia (43%) e da Polónia (41%). Depois dos abraços e beijos, os portugueses passaram a valorizar as refeições com a família e amigos (62%) e a liberdade para fazer planos de última hora (46%).

Os portugueses são realmente um povo de afetos e este estudo vem comprovar isso mesmo. Vivemos tempos muito conturbados, que nos colocaram a todos à prova, tanto a nível pessoal como profissional, e os portugueses não baixaram os braços e manifestaram uma grande onda de solidariedade e entreajuda”, afirma Sérgio Pereira, General Manager da FREE NOW, plataforma que reúne na mesma app Taxi e TVDE.

 

Desconfinamento

Quando questionados sobre o que mais querem fazer quando terminarem as restrições à Covid-19, tanto os portugueses (23%) como os espanhóis (24%) são unânimes a afirmar que querem encontrar os familiares seniores, que estiveram impedidos de visitar durante a pandemia, sem receios e medos de transmissão do vírus, refere o inquérito que se insere na Thank you Campaign, uma iniciativa europeia da FREE NOW que pretende agradecer o esforço e a resiliência dos cidadãos europeus durante a pandemia.

Após visitar os familiares mais velhos, o desejo de 16% dos portugueses é ir a um restaurante desfrutar de uma refeição em pleno, sem restrições, e 11% está ansioso para fazer uma viagem espontânea. Este top 3 é partilhado por vários parceiros europeus – Irlanda, Reino Unido, Espanha e Itália -, embora com níveis de preferência diferentes.

Ver televisão (52%), cozinhar (38%) e manter contacto com pessoas online (36%) são os hábitos que os portugueses passaram a fazer mais do que antes da pandemia. No caso de ver séries ou filmes em casa, passou a ser uma forma de passar o tempo para a maioria dos portugueses (52%), enquanto que 41% afirma que manteve a mesma frequência. No entanto, cozinhar e falar com familiares e amigos online mantiveram-se inalterados para a maioria dos portugueses, 52% e 53%, respetivamente.

Em relação à forma como se passaram a movimentar na cidade, 27% dos portugueses passou a preferir andar a pé. No entanto, Portugal é o país da Europa em que esta opção teve menos adesão. Em Itália, esta forma de mobilidade aumentou significativamente (50%), segue-se Reino Unido (46%), Espanha (44%), Irlanda (44%), França (38%), Roménia (36%) e Polónia (30%).

 

pandemia

Publicidade

IKEA

IKEA investe cinco mil milhões de euros em sustentabilidade

Heineken

Heineken vai “conduzir” um pitwall de F1 até à casa de um consumidor