in

59% das PME portuguesas está mais dependente da tecnologia depois da pandemia

O estudo “Pequenos negócios, grandes oportunidades?” da Sage, no qual se quis compreender os impactos da Covid-19 nas Pequenas e Médias Empresas (PME) e o quanto foram afetadas a nível tecnológico, revelou que 59% das empresas portuguesas inquiridas considera estar mais dependente de tecnologia, após a pandemia.

Por outro lado, face a este cenário tecnológico em constante crescimento, para 11% das PME, a falta de competências digitais foi uma das principais barreiras que impactou o negócio, nos últimos 12 meses.

Contudo, as empresas inquiridas revelam-se bastante otimistas quanto ao futuro: 68% está confiante quanto à melhoria das capacidades digitais da sua equipa, ao longo do próximo ano, e 59% sente-se mais preparado, agora, para lidar com novas tecnologias.

 

Apostar na tecnologia como caminho de futuro

Quase metade (49%) das PME inquiridas revelou, também, que espera aumentar o seu investimento em tecnologia nos próximos 12 meses, contra apenas 9% que indicou, pelo contrário, pretender reduzir este investimento.

As empresas que vão apostar mais em tecnologia indicam que os objetivos principais deste investimento são tornar-se mais rentáveis (48%), economizar tempo (44%), desenvolver melhores relações com os clientes (42%) e diversificar a sua oferta (33%), entre outros. Quando questionadas sobre as áreas em que mais pretendem investir neste âmbito, indicam marketing e publicidade (36%), o seu próprio website (29%), vendas e CRM (23%), e-commerce (20%) e hardware de TI (20%).

Com uma amostra significativa de decisores das PME a considerar aumentar anda mais o seu investimento em tecnologia, ao longo do próximo ano, existe um consenso esmagador de que esta tendência veio para ficar. A tecnologia desempenhou um papel fundamental junto das empresas portuguesas, durante a pandemia, ajudando-as a ultrapassar os obstáculos que enfrentavam, por isso, talvez não seja surpreendente que a maioria das PME considere que este período aumentou, de forma permanente, o seu grau de dependência na tecnologia. Com este estudo, a Sage – empresa tecnológica por excelência – quis compreender as perspetivas e necessidades das empresas portuguesas, para que possamos continuar a apoiá-las no futuro, enquanto rede de confiança que lhes permite chegar mais longe nos seus negócios“, afirma Josep María Raventós, Country Manager da Sage Portugal.

Publicidade

Pacto Português para os Plásticos

Pacto Português para os Plásticos lança campanha Recicla o Plástico

Rússia

Invasão russa da Ucrânia causou crise “massiva” de segurança alimentar, diz a FAO