in

Pacto Português para os Plásticos lança campanha Recicla o Plástico

Pacto Português para os Plásticos

O Pacto Português para os Plásticos (PPP) acaba de lançar uma nova campanha. Intitulada de Recicla o Plástico, a iniciativa visa incentivar os portugueses para uma maior e melhor reciclagem do plástico, explicando a importância de se reciclar embalagens e produtos feitos deste material, o porquê de ser tão relevante investir numa economia circular para os plásticos e como todos, enquanto cidadãos e consumidores, podem fazer mais e melhor.

Reforçar e melhorar os hábitos de reciclagem do plástico sensibilizando, sobretudo, o público mais jovem, é o grande objetivo desta campanha“, afirma Patrícia Carvalho, a nova coordenadora do Pacto Português para os Plásticos.

Com especial foco na faixa etária dos 18 aos 30 anos, a campanha Recicla o Plástico parte de uma das cinco metas definidas pelo Pacto Português para os Plásticos, alcançar uma taxa de reciclagem das embalagens de plástico, igual ou superior a 70%, até ao ano de 2025, e da premissa de que o consumidor é um importante fornecedor de matéria-prima na economia circular, como explica Patrícia Carvalho.“Ao separar o plástico para reciclagem, os consumidores estão a ‘fornecer’ a matéria-prima para a produção de novas embalagens de plástico, embalagens estas que integram, cada vez mais, um maior conteúdo de plástico reciclado”, afirma.

Assim, e com uma vertente bastante informativa e pedagógica, a campanha Recicla o Plástico pretende sensibilizar os portugueses para uma maior e melhor reciclagem deste material, visando contribuir para alcançar a meta assumida pelos mais de 100 membros do Pacto.

 

Campanha

Visível nas ruas de alguns municípios, em mupis e outdoors, em várias lojas, hipers e supermercados dos membros do Pacto Português para os Plásticos, através da presença de cartazes e da distribuição de flyers informativos, e com uma forte componente digital, com comunicação na internet e nas redes sociais, a campanha Recicla o Plástico assenta, assim, na divulgação e disponibilização de informação útil para os consumidores e no esclarecimento das dúvidas mais frequentes para quem quer reciclar embalagens e produtos em plástico.

Quais as embalagens que devem (e as que não devem) ser colocadas no ecoponto amarelo, onde devem ser colocados os resíduos de plástico que não podem ir para o ecoponto amarelo, a localização dos ecopontos ou quais os processos de separação são algumas das questões que os portugueses podem ver esclarecidas.

A campanha divulga, ainda, informação sobre a economia circular dos plásticos: vantagens, funcionamento, exemplos de transformação, entre outros. Toda a informação está disponível no site recicla.pactoplasticos.pt que conta ainda com um vídeo e um quiz que desafiam os portugueses a testar os seus conhecimentos sobre a reciclagem do plástico.

 

Plásticos

De assinalar que os plásticos são materiais versáteis e duráveis, que podem ser reciclados várias vezes, permitindo, assim, a diminuição da extração de recursos, pelo que a sua reciclagem deve ser percebida como uma valorização dos recursos na economia.

Por outro lado, a reciclagem dos plásticos tem várias vantagens ambientais: poupa energia, em comparação com a produção de plástico virgem, poupa água, limita as emissões de CO2 e garante a eliminação da poluição, já que os plásticos se mantêm na economia, onde são úteis para o dia-a-dia, e não acabam nunca no ambiente. A reciclagem do plástico tem ainda vantagens socioeconómicas ligadas à criação de emprego, geração de riqueza e independência do exterior para fornecimento de matérias-primas.

 

Pacto Português para os Plásticos

O primeiro relatório de progresso do Pacto Português para os Plásticos, apresentando em 25 de novembro de 2021, demonstra que a evolução é geralmente positiva, no sentido de se atingir as metas definidas para 2025, mas que as ações dos membros têm de ser aceleradas.

Não pondo o ónus no consumidor, Patrícia Carvalho acredita, no entanto, que este é um elo central para acelerar a concretização dessas metas, nomeadamente, com o seu contributo diário na separação das embalagens de plástico. “De pouco serve os membros do Pacto Português para os Plásticos assumirem uma meta de incorporação de material reciclado nas novas embalagens se não houver oferta desse material. E essa oferta depende do gesto diário de cada um de nós, ao separar os resíduos no ecoponto”, afirma. “Com o apoio dos consumidores, será possível concretizar esta e outras metas e, para isso, cada português terá de reciclar, pelo menos, 28 quilogramas de resíduos de plástico por ano”, avança.

Desde o início de 2020, várias empresas, associações, universidades e o Governo comprometeram-se com a visão e os objetivos do Pacto Português para os Plásticos, uma iniciativa que pretende garantir a transição para uma economia circular, onde o plástico é sempre um recurso valioso dentro da economia e nunca uma ameaça para o ambiente. Hoje, são mais de 100 as entidades que partilham esta visão.

Havaianas

Havaianas regista a maior receita líquida da história da empresa no primeiro trimestre de 2022

empresas

59% das PME portuguesas está mais dependente da tecnologia depois da pandemia