in

2017 representará a taxa de expansão mais lenta para os 10 maiores retalhistas

O Planet Retail espera que os 10 maiores retalhistas alimentares vejam o seu número combinado de lojas crescer 3,1% durante o ano, abaixo dos 3,4% em 2016 e 4,9% em 2015.

De facto, 2017 representará a menor taxa de crescimento anual desde 2011, quando, nos tremores da crise económica global, o aumento foi de apenas 0,8%.

Estas são as principais conclusões do último relatório “Global Channel Trends 2016”, diante uma mudança dos investimentos das lojas para a Internet e com a maioria ainda dependente do canal de hipermercados, de crescimento lento. Muitos dos maiores retalhistas mundiais enfrentam a difícil escolha entre investir na reinvenção de um canal em estagnação ou cortar as suas perdas completamente, diminuir as aberturas e, finalmente, encerrar lojas.

No outono passado, a líder Walmart anunciou uma desaceleração na expansão através da abertura de novas lojas. O número de novos supercenters  no mercado norte-americano deverá ser de apenas 35 em 2017, em comparação a média histórica de mais de 100. Além disso, e não obstante a sua forte performance, mesmo a cadeia Neighborhood Market não será poupada, com apenas 20 lojas de pequeno formato esperadas em 2017.

Ainda mais afetada será a Tesco, que vai ver as aberturas de lojas realmente diminuir em 2017. E esta tendência não se restringe apenas ao Top 10. Nos últimos meses, foram conhecidos vários programas de encerramento de lojas anunciados, desde a Marks & Spencer no Reino Unido, a Sears nos Estados Unidos da América (108 Sears e Kmart em abril), a CVS (70 lojas nos próximos meses) e a Macy’s (68 em 2017). O Planet Retail está à espera de mais encerramentos de lojas a serem anunciados pelos principais retalhistas
nos próximos 12 meses.

Claro que existem algumas exceções, especialmente quando se considera alguns dos canais de crescimento mais rápido. Entre o Top 10, a Seven & I, a Costco e o Carrefour preveem acelerar a expansão de lojas em 2017. No entanto, com exceção da Costco, é o canal de conveniência  que está a impulsionar este crescimento. A Seven & I, por exemplo, está a avançar com a expansão da 7-Eleven globalmente (incluindo planos para duplicar o número de lojas no mercado norte-americano), enquanto ao mesmo tempo reduz o seu número de hipermercados Ito-Yokado no Japão.

Contudo, segundo os dados do Planet Retail, o foco de muitos dos principais atores está agora a deslocar-se para a renovação e melhoria dos principais ativos já existentes, aumentando, ao mesmo tempo, o investimento nas suas capacidades digitais. Para os fornecedores, isto significa que as oportunidades de crescimento devido a novo espaço em prateleira serão menores em 2017  e provavelmente permanecerão baixas nos próximos cinco anos.

Com os retalhistas líderes a olhar para a renovação e reinvenção das suas redes, a fim de concorrer com o online e o discount, serão cada vez mais recetivos a ofertas s e promoções inovadoras e exclusivas ou a melhorar a experiência global. Além disso, com um número de retalhistas ainda numa fase inicial em termos de reinvenção de loja, qualquer boa prática que os fornecedores possam trazer de outros mercados será valiosa. 

Publicidade

Economia da Zona Euro terminou ano com crescimento mais rápido desde 2011

Melhoria significativa das previsões na Rússia