in

Vietname afetado pela queda nas exportações

O Vietname registou um crescimento de 7%, em 2019, graças ao aumento das exportações para os Estados Unidos e ao bom desempenho do consumo privado e do investimento, num contexto de aumento de salários, crescimento do turismo e incremento do fabrico de produtos para exportação. Contudo, a Crédito y Caución prevê que o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) vietnamita tenha uma redução para menos de 2%, devido à queda da procura interna e das exportações.

Com mais de 40% dos bens intermédios provenientes da China, as cadeias de fornecimento do Vietname têm sofrido importantes interrupções desde o começo de 2020. Além disso, o país enfrenta a deterioração dos Estados Unidos, da China e do Japão, os seus principais parceiros comerciais, o que terá como consequência uma contração das exportações superior a 4% – uma mudança de sentido em relação ao crescimento de 14% dos dois últimos exercícios. Entre os mais afetados por este contexto difícil encontram-se os sectores do turismo, aviação, eletrónica, têxtil e agricultura.

Liquidez

Para aumentar a liquidez, em março, o Banco Central do Vietname reduziu as taxas de juro de referência até 5%. Além disso, a administração pôs em marcha grandes pacotes de estímulo para apoiar as empresas e os consumidores. A estrutura da dívida externa do Vietname é estável, com vencimentos longos e financiamento de credores públicos, nos últimos dois anos, e espera-se que continue a diminuir nos próximos anos.

Tratando-se de uma economia aberta, que depende, em grande medida, do comércio externo, o principal risco para o desempenho do Vietname é o de uma maior deterioração da economia global pela evolução da pandemia ou pelo aumento do protecionismo.

Produção de baixo custo

O Vietname constitui a principal alternativa regional à China para fabricações de baixo custo orientadas para a exportação. O deslocamento da produção da China para o Vietname, especialmente nos sectores têxtil, de bens de consumo e TIC, acelerou em 2019, perante o conflito comercial do gigante asiático com os Estados Unidos.

Esta tendência poderia intensificar-se perante as interrupções no fornecimento da China relacionadas com o coronavírus, situação que afetou muitas empresas em todo o mundo. O Vietname já está integrado nas cadeias de valor, conta com uma sólida infraestrutura rodoviária, ferroviária e portuária e integra vários acordos de livre comércio. O mais recente, com a União Europeia, entrará em vigor provavelmente este verão. A forte promoção do investimento e a existência de zonas económicas especiais fazem do Vietname uma alternativa asiática para as empresas que desejem criar novos centros de produção ou ampliar os já existentes.

Publicidade

Produtores locais

Produtores locais protagonizam campanha Auchan

Consumo

Hábitos de consumo mudaram com a Covid-19