in

Robots de serviço Sanbot chegam a Portugal

A Sanbot, robot de serviço da fabricante chinesa Qihan, chegou a Portugal e já está disponível para facilitar o dia a dia das empresas, estando a ser testada numa unidade hoteleira em Lisboa.

Com 20 quilos e 90 centímetros de altura, a Sanbot é um robot social, altamente personalizável, com design simples e equipado com a mais recente tecnologia de inteligência artificial, capaz de exprimir emoções e de oferecer a melhor experiência na interação com as pessoas.

Entre as componentes mais relevantes, destaque para os sensores que permitem movimento ilimitado, através das suas 12 pequenas rodas móveis que fazem rotações 360 graus, possibilitando a navegação em superfícies irregulares. Dispõe, ainda, de 10 sensores para evitar obstáculos quando realiza uma deslocação. Além disso, a Sanbot possui um ecrã tátil HD de 10,1 polegadas, possibilitando visualização de imagens em alta resolução e uma experiência rica de interface de utilizador, braços iluminados com mais de 250 cores e projetor laser HD.

Com uma câmara 3D, a Sanbot interpreta os gestos e movimentos das pessoas e é, ainda, capaz de fazer reconhecimento facial. Tem, também, microfone incorporado, que permite localização por voz e a resposta a comandos de voz ou, simplesmente, entrar em conversação.

Este tipo de robot de serviço pode, também, ser configurado para funções de telepresença, através de chat de vídeo. Tem colunas de som e está programado para encontrar uma estação de carregamento de bateria, desde que esta se encontre num raio de cinco metros.

A Sanbot chega a Portugal com a pretensão de ajudar as empresas a alavancar os seus negócios, mas também para ser um auxílio na promoção da educação e do bem-estar. Na área da saúde, pode prestar apoio ao cuidador e às enfermeiras, pois, através do sistema operativo Android, pode ser programado para lembrar a hora dos medicamentos, fazer videochamadas ou disparar alertas por SMS caso o batimento cardíaco do paciente ficar alterado. Pode, inclusive, ser colocado em departamentos geriátricos e pediátricos, salas de tratamento oncológico ou hemodiálise com o objetivo de entreter os pacientes.

Também na área da educação, a Sanbot pode ser utilizada para criar empatia e confiança dos alunos, ensiná-los a cantar, dançar, pintar ou a aprender o seu e outros idiomas. Ler histórias, conversar, projetar aulas e personalizar o conteúdo a cada aluno em aulas individuais são algumas das vantagens.

Outro sector que beneficia com este novo dispositivo é o turístico, no desenvolvimento de uma melhor experiência de hospitalidade aos turistas, com tradução simultânea, boas-vindas, recolha de informação, ou até mesmo o retalho, onde pode auxiliar na promoção de serviços no ponto de venda físico, dando informação sobre os mesmos ou até entregando um voucher promocional.

Eduardo Lucena, responsável pela divisão de robótica da Beltrão Coelho, sublinha a urgência de trazer esta nova tecnologia para Portugal. “Os robots de serviço são uma realidade incontornável da transformação digital e estão a massificar-se em todo o mundo. Em Espanha, estão já altamente estabelecidos, pelo que Portugal não pode ficar atrás nesta evolução tecnológica. A Sanbot foi concebida para facilitar o dia a dia das pessoas, não para as substituir no local de trabalho. Pode ser um ativo valioso para as empresas, se bem explorado”. 

Os robots Sanbot foram criados pela tecnológica chinesa Qihan, um dos principais “players” mundiais na comercialização de robots de serviço sociais. Foi desenvolvida em parceria com a IBM Watson, Nuance, Sony e em Portugal é representada pela Beltrão Coelho, que permite às empresas tomarem contacto com esta nova tecnologia através de sistema de aluguer. “Atualmente, o mundo da robótica muda todos os dias, pelo que não faz sentido as empresas investirem milhares de euros na compra de um equipamento que amanhã pode já não ser o mais indicado para o trabalho que realizam. Nesse sentido, o aluguer destes robots de serviço permite às empresas testarem as suas funcionalidades e adaptarem-se de forma mais ágil às necessidades dos seus mercados”, justifica o responsável. Neste momento, a Sanbot encontra-se em fase de testes numa grande unidade hoteleira em Lisboa, no sentido de melhorar a sua experiência de visita dos hóspedes.

Publicidade

Quinta Vale D. Maria declara 2016 como ano de Porto Vintage

Como se comporta cada geração?