in

Portugueses um pouco menos pessimistas

O índice de expectativa económica dos portugueses apresenta o valor mais elevado do último mês, indicam os dados da Marktest.

De acordo com a última sondagem, face à sua situação económica pessoal e do país daqui por um ano, este índice regista o valor mais elevado das últimas seis semanas: 27 pontos. Ainda negativo, semana após semana, porém, o índice vai recuperando, tendo agora mais 11 pontos do que o observado a 30 de março.

 

 

A população feminina, os mais jovens (18 a 54 anos) e os residentes nas regiões do Grande Porto, Litoral Centro e Sul são os que registam índices de expectativa superiores a 30 pontos.

 

Governo com nota positiva

A avaliação do desempenho do Governo também recuperou ligeiramente, alcançando agora um valor de 78 pontos. 93% dos portugueses atribuem uma nota positiva ao desempenho do Governo.

As melhores avaliações, acima dos 80 pontos, são registadas junto da população com 55 e mais anos e dos residentes nas regiões da Grande Lisboa, do Litoral Centro e do Sul.

Quanto à avaliação de desempenho do Presidente da República, esta está nos 71 pontos. É igualmente a população com 55 e mais anos, assim como os residentes nas regiões do Litoral Centro e do Sul aqueles que avaliam de forma mais positiva o desempenho do Presidente da República, atribuindo pontuações acima dos 75 pontos.

 

Impacto económico

Relativamente aos impactos económicos que a crise provocada pela Covid-19 poderá ter junto dos portugueses, persistem no top 3 o aumento da taxa de desemprego, o aumento de impostos e a subida de preços de bens essenciais. Os portugueses parecem estar plenamente conscientes dos efeitos desta crise no curto e médio prazo.

De regresso ao novo normal, a população começa igualmente acreditar na retoma das atividades económicas. Sobe o índice de expectativa económica, como vimos anteriormente, e diminuem os receios de alguns dos impactos económicos, nomeadamente, os cortes nos subsídios de férias e de Natal.

Publicidade

Aldi

Aldi lança novo folheto de produtos bio

marcas

50% das vendas perdidas pelas marcas deve-se ao desinvestimento publicitário