in

Portugal antecipa-se na proibição de plásticos

Cotonentes e palhinhas proibidos já em 2020

Foto Shutterstock

O Governo vai antecipar-se aos prazos previstos por Bruxelas e, a partir do segundo semestre de 2020, os plásticos de uso único serão proibidos em Portugal.

Pratos, talheres e copos, palhinhas, cotonetes ou palhetas para mexer o café de plástico descartável irão desaparecer das prateleiras dos supermercados em junho do próximo ano, numa antecipação às metas da Comissão Europeia que prevê o fim da comercialização destes produtos no ano seguinte.

De igual modo, a partir de 1 de janeiro de 2020, passarão também a ser proibidos os chamados sacos de plástico oxo-degradáveis, apresentados nos últimos anos como sendo mais ecológicos, porque mais finos, mas os estudos vieram revelar que apenas se desintegram em pequenas partículas igualmente poluidoras. Já os sacos de plástico mais espessos aumentam de preço. A única exceção serão os sacos que incorporem 70% de plástico reciclado.

Por outro lado, para as embalagens está prevista a introdução da tara retornável, o que significa que a sua devolução será gratificada com vales de compras. A medida avança como projeto-piloto em diversos supermercados, prevendo-se o seu alargamento a todo o país dentro de dois anos.

Estas medidas vêm na sequência das conclusões do grupo de trabalho criado pelo Governo para analisar as questões dos plásticos e são apresentadas esta sexta-feira, dia 22 de fevereiro, em Lisboa, no âmbito da conferência “Vive(r) com menos plástico”.

OMC adverte para a desaceleração do crescimento do comércio mundial

Lidl Portugal deixa de vender sacos de plástico