in

Pingo Doce reabre loja em Évora com nova imagem e restaurante Comida Fresca

Pingo Doce nova loja

O Pingo Doce reabriu, no passado dia 22 de junho, a loja de Évora EN, com um espaço totalmente renovado, onde se destaca o novo restaurante Comida Fresca. Com 2.500 metros quadrados, a nova loja beneficia de um ambiente moderno, funcional e ainda mais sustentável. A equipa foi reforçada com 34 novas contratações, contando com um total de 101 colaboradores.

Esta reabertura reforça o plano de expansão e de remodelações do Pingo Doce, que se encontra a implementar um novo conceito de loja, assente na centralidade da Comida Pronta, dos Frescos e do Serviço, características que diferenciam a marca.

Logo na entrada da loja, os clientes do novo Pingo Doce de Évora vão encontrar o restaurante Comida Fresca com 250 lugares sentados, 32 dos quais em esplanada; cafetaria e padaria em livre-serviço, com fornadas de pão quente ao longo do dia e uma ampla variedade de produtos frescos, incluindo modernas secções de Talho e de Peixaria, com ecrãs digitais com informação dos produtos. A nova loja dispõe de oito caixas em sistema de self-checkout.

A nova loja vai, igualmente, ao encontro de uma maior preocupação ambiental e apresenta alternativas que permitem uma experiência de compra mais sustentável, como a disponibilização de sacos reutilizáveis e trolleys e um posto de reenchimento de água filtrada ECO, um serviço inovador e exclusivo do Pingo Doce, mais sustentável e económico, e que contribui para a redução do uso de plástico descartável. Os clientes podem, também, levar as suas próprias embalagens e caixas para utilizarem na Charcutaria ou no Take Away, por exemplo.

Estão disponíveis para os clientes 500 lugares de estacionamento e 2 postos de carregamento duplos para veículos elétricos com 4 lugares, reforçando a aposta do Pingo Doce na mobilidade elétrica e parque para bicicletas.

Siga-nos no:

Google News logo

iServices_Kidzania_inauguracao

iServices é a primeira loja de reparação na KidZania

férias orçamento

Quase metade dos portugueses vai gastar entre 600 e 900 euros nestas férias