in

Os comportamentos de consumo que mais mudaram na pandemia

Imagem de Gerd Altmann por Pixabay

Grande Consumo - Branded Content

 

O primeiro trimestre de 2020 foi um período de grandes transformações e muita angústia pelo mundo todo, pois a pandemia de Covid-19 abalou todas as esferas da sociedade e do mercado.

Com o isolamento social, as restrições de deslocamento afetaram não só os consumidores, mas também os fornecedores e muitas empresas que, posteriormente, tiveram que fechar as portas.

Além disso, as relações interpessoais, a comunicação e a forma como as pessoas interagem entre si mudou completamente de forma imediata, o que causou grandes transtornos emocionais numa grande parcela da população.

Os comportamentos de consumo, no entanto, sofreram alterações que já podiam ser visualizadas e esperadas a longo prazo, num futuro próximo.

Com a pandemia de 2020 e o isolamento social, a transformação digital teve um impacto expressivo e foi acelerada, influenciando também no comportamento de consumo da sociedade.

Na medida em que empresas físicas iam fechando as portas e uma grande parte da população ficava desempregada, o mundo digital fortalecia-se, startups inovadoras ganhavam o mercado e as pessoas começaram a procurar formas de como ganhar dinheiro na Internet.

Como consequência, as pessoas mudaram hábitos de consumo e romperam com padrões e modelos antigos, algo que já vinha a acontecer há alguns anos e foi acelerado durante a pandemia, juntamente com a transformação digital.

Com o mercado físico parado, e as pessoas exclusivamente em casa, as empresas tiveram que transformar a comunicação com os clientes e investir todas as suas cartas no meio digital.

Empresas que nunca tiveram uma presença na web tiveram que fazer um registo de domínio, elaborar sites, fomentar as redes sociais e, finalmente, aprimorar a sua relação com o cliente, dialogando com todas as suas necessidades e compreendendo o novo modelo de consumidor.

Quer entender melhor quais os comportamentos de consumo que mais mudaram? Neste post, iremos percorrer os padrões de consumo mais antigos, como a pandemia transformou esses padrões e quais foram os hábitos de consumo mais influenciados.

 

O que são comportamentos de consumo?

O comportamento do consumidor pode ser analisado à luz do seu próprio tempo e da sociedade em que os indivíduos estão inseridos.

Ao contrário do que muitos imaginam, estudar os comportamentos de consumo vai muito além da análise das tomadas de decisão, questões socioeconómicas e sociodemográficas, mas é preciso um estudo antropológico e histórico.

Para entender sobre o comportamento de consumo atual, é preciso analisar também o contexto político e social, os problemas da sociedade atual e toda a sua história até ao momento, pois falar sobre o comportamento está vinculado a uma conjuntura de fatores multidisciplinares.

Há algum tempo, os consumidores eram mais rígidos e lineares, comprando sempre o produto da mesma empresa, solicitando serviços do mesmo profissional e as relações de consumo eram escassas.

Logo, o comportamento de consumo era algo previsível, sem muitas variáveis, a concorrência no mercado não era uma questão que impactava as dinâmicas de consumo e as influências do comportamento do consumidor eram menores.

Hoje, o comportamento de consumo da sociedade atual é pautado pela tecnologia, pois os shoppers possuem acesso a pesquisas, procuram por informações a respeito do produto que desejam na Internet, mudam de opinião no meio da jornada de compra e possuem uma infinidade de possibilidades.

O produto não é mais o foco do consumidor, e sim a experiência agregada, o propósito que as marcas oferecem, qual o posicionamento da empresa frente às problemáticas sociais e, principalmente, o elemento inovador que elas oferecem.

Desse modo, o conjunto de hábitos e comportamentos de consumo é muito mais amplo e diverso, pois é influenciado por inúmeros fatores sociais, culturais, pessoais, situacionais e ambientais.

A pandemia de 2020 foi uma crise que influenciou em absolutamente todos esses fatores, o que demonstra como o seu impacto foi significativo no comportamento de consumo.

 

Como a pandemia afetou o mercado de consumo

A pandemia afetou a economia como um todo, o mercado de trabalho, as pequenas, médias e grandes empresas. Com um país ainda imerso na desigualdade, a pandemia impactou todas as esferas da sociedade, nos seus diferentes níveis socioeconómicos.

Grande parte da população ficou desempregada e teve que procurar outras formas para ganhar dinheiro, o que também influenciou para inúmeras pesquisas de como ganhar dinheiro na Internet.

Com a chegada da pandemia, as lojas e empresas tiveram que interromper o funcionamento por tempo indeterminado, fator decisivo para que elas migrassem para o meio digital e investissem num registo de domínio, uma loja virtual e, principalmente, no atendimento online.

De acordo com estudo Mastercard Spending Pulse, o e-commerce no Brasil teve um aumento de 75%, em 2020.

Para o primeiro trimestre de 2021, com um cenário com vacinas disponíveis e a pandemia em menor escala, o e-commerce já registou 91%, também de acordo com o Mastercard Spending Pulse.

Ou seja, os dados mostram como os impactos da pandemia no mercado de consumo geraram transformações que vieram para ficar, criando o conceito do “novo normal” na sociedade, no qual o comportamento de consumo preza predominantemente pelo mercado digital.

Ainda de acordo com estudos da Mastercard, os sectores em destaque no crescimento foram as drogarias com 88,7% e hobby e livrarias com 110%, dados que condizem com os efeitos da pandemia no isolamento social e que refletem no novo comportamento do consumidor.

 

Novos comportamentos de consumo

As mudanças disruptivas no comportamento de consumo foram a nível global e sem precedentes. As pessoas passaram por mudanças em todos os sectores do mercado, com novas prioridades e exigências para as empresas.

Muitos indivíduos que nunca realizaram uma compra online tiveram a sua primeira experiência no mercado digital, logo no início da pandemia.

Compras de supermercado, farmácia, alimentação, roupas, livros, serviços domésticos, terapia e, até mesmo, consultas médicas passaram a ser realizadas por aplicativos e plataformas digitais.

Além disso, houve novas descobertas da sociedade no mundo digital, as pessoas experimentam novas maneiras de consumir e até mesmo como ganhar dinheiro na Internet.

Sem a possibilidade de consumir presencialmente, frequentar as lojas e ter uma jornada de compra física, as pessoas tiveram que investir nas pesquisas na web para consumir os produtos, avaliá-los virtualmente, processo que pode ser influenciado por inúmeros fatores.

Com isso, as empresas tiveram que fazer um registo de domínio e investir em conteúdo digital para reter e atrair novos clientes neste momento de crise. E isso inclui sites, blogs e, principalmente, as redes sociais que se tornaram um dos principais canais de contacto com clientes.

No novo comportamento de consumo, o contacto com as marcas e os produtos dá-se predominantemente de forma digital, ou seja, o atendimento é online, a compra é realizada online e toda experiência do consumidor com a empresa acontece no digital, sem um contacto físico.

Tudo isso afetou o mercado e as empresas, que não investiam de forma significativa no digital até ao surgimento da pandemia.  

 

Aumento do delivery

Antes da pandemia, o delivery já ocupava um papel crescente na realidade dos brasileiros. Com a intensidade de atividades no dia-a-dia dos brasileiros e uma sociedade cada vez mais ocupada, prezar pela praticidade do delivery é uma das prioridades dos indivíduos.

Com a pandemia, esse hábito cresceu em proporções inimagináveis, visto que o isolamento social e os riscos do vírus nos ambientes coletivos impediram que os brasileiros saíssem de casa de forma segura.

Empresas que nunca tinham oferecido esse serviço, até então, tiveram que trabalhar de forma exclusiva com o delivery por um bom período de lockdown. 

Algo que antes era opcional e um diferencial na economia de tempo, tornou-se num pré-requisito para que os negócios continuassem a funcionar.

Após mais de um ano de pandemia, esses hábitos de consumo por meio do delivery foram normalizados, pois, com a grande procura, a oferta aumentou e, hoje, consumir via delivery faz parte do comportamento do novo consumidor.

De forma forçada ou não pela pandemia, a população brasileira desenvolveu novos hábitos, que, quando repetidos em grande escala e de forma constante, tornam-se numa cultura presente. 

Ao contrário do que se via antes, o delivery não é apenas mais uma tendência para o futuro, mas faz parte do comportamento de consumo atual.

 

Cursos à distância

A aprendizagem também foi modificada pela pandemia, visto que as escolas, universidades e demais instituições interromperam as suas atividades presenciais e transformaram os cursos para o modo remoto.

Com isso, muitas pessoas puderam experimentar o ensino à distância, pela primeira vez, algo que influenciou na maior aceitação do ensino remoto e aumentou a procura do mercado.

A pandemia influencia, dessa forma, até mesmo no conhecimento e no modo como se consome o conhecimento, algo que já faz parte do comportamento de consumo. 

Hoje, as pessoas solicitam ainda mais por praticidade e acesso a novos conteúdos, ambos fatores que são oferecidos nos cursos à distância e que ganharam mais credibilidade durante a pandemia.

Além disso, com o isolamento social e as pessoas sem saírem de casa, o mercado de cursos à distância ampliou o leque de possibilidades e adaptou alguns processos de acordo com o novo comportamento de consumo.

Assim como o delivery, os cursos à distância, e até mesmo a faculdade à distância, saíram de um lugar de pouco prestígio, para uma tendência forte nos hábitos e comportamento de consumo.

 

Compras online     

As compras online já eram uma tendência forte mesmo antes da pandemia. Porém, no contexto da crise do coronavirus, esse hábito foi intensificado de forma expressiva, passando de uma tendência para uma característica do comportamento de consumo.

As pessoas, cada vez mais, procuram o formato digital, reduzindo o contacto para aceder aos produtos. E isso reflete-se na forma como consomem no e-commerce, nas lojas virtuais, aplicações, entre outros.

A pandemia trouxe uma perspetiva mais flexível para indivíduos que não tinham o hábito de comprar online, pois mesmo que de forma impulsionada, puderam experienciar a compra online com maior frequência e modificar velhos hábitos.

O comportamento de consumo está diretamente relacionado à ampliação da presença digital, pois os dois fatores possuem características que se complementam.

O consumidor atual procura por mais agilidade, possibilidades mais amplas, uma visualização mais prática dos produtos e a praticidade de poder comprar sem sair de casa, tudo o que o mercado digital oferece.

Essa influência da pandemia no comportamento do consumidor também gerou oportunidades para que pequenos empreendedores criassem o seu próprio negócio e aprendessem a como ganhar dinheiro na Internet, ao realizar o seu próprio registo de domínio e desenvolvendo lojas virtuais.

 

Consumo consciente

A crise do coronavírus trouxe inúmeras reflexões a respeito do contexto socioambiental em que vivemos. Como toda a crise sanitária, as pessoas ganharam maior consciência sobre os impactos das ações e atitudes no planeta e como tudo se pode transformar do dia para noite.

O comportamento de consumo integra, agora, uma consciência ambiental e social, pois as pessoas procuram consumir mais do que um produto, mas, sim, um propósito e uma experiência sustentável.

A agenda sustentável continua a crescer dentro das organizações, reflexo das novas gerações e das mudanças causadas pela pandemia.

O consumo consciente está relacionado com a capacidade de ponderar entre a satisfação pessoal, a qualidade do produto, de que forma esse produto impacta o ambiente e as consequências sociais desse consumo.

Hoje em dia, a maioria das pessoas prioriza empresas que possuem um posicionamento frente às questões ambientais, sociais e económicas, pois o comportamento de consumo já está relacionado com uma perspetiva responsável e coletiva.

Entre o consumo consciente, há uma tendência de comportamento na procura por uma alimentação e um estilo de vida mais saudável, fatores que foram influenciados diretamente pela crise do coronavirus, visto que a saúde tomou proporções ainda mais significativas para as pessoas.

 

Conclusão

A pandemia do coronavirus desencadeou inúmeras angústias e expectativas no mundo todo. Em contrapartida, os impactos alcançaram o comportamento de consumo e influenciaram novos hábitos de consumo.

No novo comportamento do consumidor, os itens essenciais não são mais tão essenciais e os itens irrelevantes passaram a ocupar maior relevância, entre várias outras mudanças que aconteceram. 

Entre as variantes no comportamento de consumo, é preciso destacar a influência da transformação digital e a diferença entre as gerações.

O novo comportamento de consumo, influenciado pela pandemia, é também repleto de atributos das novas gerações, que possuem cada vez mais apreço pela inovação e procuram a praticidade de forma constante.

Publicidade

Kellogg

Vendas e lucros da Kellogg em crescimento

Super Bock

Super Bock apresenta edição limitada Christmas Brew