in

Nespresso vai recuperar os cultivos de café afetados pela guerra

A Nespresso, por meio do programa AAA Sustainable Quality, anunciou o lançamento do Reviving Origins, uma plataforma para ajudar os cafeicultores a recuperar os cultivos de café em risco de desaparecer devido a adversidades, como conflitos armados, crises económicas ou desastres naturais.

Nos próximos cinco anos, com um investimento de mais de oito milhões de euros, a Nespresso vai implementar a parceria com cafeicultores em países como a Colômbia ou o Zimbábue para ajudá-los a estabelecer práticas agrícolas sustentáveis. O objetivo é que, com a ajuda de diferentes especialistas e formadores, e aplicando novas técnicas de processamento do café, o sector cafeeiro local possa ser recuperado e, ao mesmo tempo, combater as mudanças climáticas com práticas mais sustentáveis. Como parte deste projeto, a Nespresso apresentará anualmente uma edição limitada de café proveniente destas áreas.

Reviving Origins nasceu da experiência da Nespresso no Sudão do Sul, em 2011, quando descobriu, pela primeira vez, o potencial de voltar a promover um café esquecido. O Suluja ti Sudão do Sul nasceu desta iniciativa, uma edição limitada que ajudou a diversificar a base económica daquele país africano.

Com base nessa experiência e com o programa de sustentabilidade global AAA Sustainable Quality, a Nespresso fez uma parceria com os cafeicultores no leste do Zimbábue e na região de Caquetá, na Colômbia, para recuperar e impulsionar os cafés exclusivos dessas áreas. Como resultado desta parceria,  introduziu duas novas variedades de café: Tamuka mu Zimbabwe e Esperanza de Colômbia.

TomTom lança aplicação GO Navigation com Apple CarPlay

Mondelez International aposta nas barras nutricionais