in ,

McDonald’s Portugal reduz o consumo de plástico em mais de 500 toneladas por ano

A McDonald’s Portugal anuncia as alterações que tem vindo a concretizar na substituição das embalagens de plástico de uso único utilizadas para servir os seus clientes, processo que estará concluído até ao final do primeiro semestre de 2021. A estratégia nesta área de impacto das embalagens e redução de resíduos vai permitir reduzir o consumo de plástico na McDonald’s em mais de 500 toneladas, por ano, nos restaurantes em Portugal.

A transição alargada das embalagens de plástico de uso único teve início em 2019 em Portugal. Agora, a marca encontra-se na reta final desse percurso, ancorado em 3 eixos estratégicos:

  • Reduzir: reduzir a utilização de plástico em excesso nas embalagens;
  • Repensar: usar mais fontes renováveis, recicladas ou certificadas no material das embalagens e, em simultâneo, simplificar a variedade de materiais usados sem comprometer a qualidade e o desempenho das mesmas;
  • Reutilizar: usar mais materiais reciclados nas embalagens.

Este processo passou pela implementação de testes-piloto em vários restaurantes. Em junho de 2019, a McDonald’s começou por substituir as paletinas em plástico, para o café, por paletinas em madeira. Seguiram-se, no início de 2020, o copo e tampa em plástico do gelado McFlurry, substituído por uma só embalagem em papel sem tampa; e os copos transparentes em plástico para servir água, cerveja e néctares, que são agora em papel e entregues apenas a pedido do cliente.

McDonald’sJá em pleno contexto pandémico, a McDonald’s Portugal continuou a transitar os materiais dos utensílios e das embalagens que utiliza para servir os seus produtos. A marca substituiu, em setembro de 2020, a colher em plástico do seu gelado McFlurry, por uma colher em madeira; e o copo em plástico do icónico gelado Sundae por um copo (e tampa no McDrive, McDelivery e Takeaway) em papel. Aos copos de bebidas frias (que já eram em papel), quando consumidas no restaurante, retirou-se a tampa em plástico; enquanto as sopas passaram a ter tampa em papel.

Também desde setembro de 2020 que deixaram de se usar palhinhas em plástico nos restaurantes McDonald’s em Portugal, tendo sido substituídas por palhinhas em papel, que são fornecidas somente a pedido do cliente.

Na McDonald’s estamos certos de que sempre que mudamos alguma coisa, muita coisa muda. Por isso, enquanto ajustámos operações para nos adaptarmos à situação pandémica, não parámos de trabalhar para atingir as metas ambientais que traçamos a longo-prazo. Ao lado dos nossos fornecedores e parceiros continuámos a repensar, reduzir e reutilizar os materiais das nossas cadeias de negócio, assim como ouvimos os nossos consumidores nos testes que desenvolvemos, que sempre receberam de forma muito positiva estas alterações“, refere Inês Lima, diretora geral da McDonald’s Portugal.

Acreditamos que é nesta articulação de esforços e partilha de boas práticas que iremos conseguir alcançar um impacte ambiental positivo nas comunidades em que nos integramos. Porque para além de aqui estarmos para servir bons momentos à mesa, estamos aqui comprometidos para fazer a nossa parte e usar a nossa escala para fazer bem ao ambiente”.

 

Futuro com menos plástico

A McDonald’s prepara-se agora para introduzir as próximas alterações para a migração do plástico para materiais alternativos, nos seus restaurantes. Até ao final do primeiro semestre de 2021 serão introduzidos, em todos os restaurantes nacionais, mais paletinas (para cappuccino e meia de leite) e talheres em madeira e bioplástico, assim como tampas em papel para os copos de bebidas quentes e de bebidas frias quando servidos no McDrive, McDelivery e Takeaway.

O conjunto destas alterações vai permitir à McDonald’s reduzir, no país, o consumo de plástico em mais de 500 toneladas, por ano, número que inclui 68 milhões de palhinhas e mais de 72 milhões de tampas de bebidas, entre outros.

A estratégia de transição para embalagens mais sustentáveis alinha-se com a meta global, subscrita pela McDonald’s Portugal, de reduzir a utilização de plástico em excesso nas embalagens e de, até 2025, garantir 100% de embalagens provenientes de fontes renováveis, recicladas ou certificadas e, em simultâneo, simplificar a variedade de materiais usados sem comprometer a qualidade e o desempenho das mesmas.

Hoje, em Portugal, toda a matéria-prima de papel utilizada nas embalagens McDonald’s é já certificada pela FSC (Forest Stewardship Council).

Publicidade

Starbucks

Starbucks at Home lança novidades da Primavera

Super Bock Selecção 1927

Dunkelweizen é a nova cerveja Super Bock Selecção 1927