in , , ,

MARL aumenta volume de negócios e diminui dívida

O Mercado Abastecedor da Região de Lisboa (MARL) registou, no segundo trimestre, um aumento do seu volume de negócios, face ao período homólogo, em 255,3 milhares de euros (+3,9%).

De acordo com o Relatório de Execução Orçamental agora aprovado, no mesmo período, a dívida financeira líquida foi reduzida em 3.405 milhares de euros (-8,8%), face ao valor registado em 31 de dezembro de 2018, situando-se agora em 35.418,5 milhares de euros.

Os resultados financeiros expressos no documento trimestral apresentam um desvio favorável, face ao período homólogo de 2018 e ao plano para este segundo trimestre, respetivamente, em 23,9 milhares de euros (+13,5%) e 19,5 milhares de euros (+11,3%), refletindo a redução do passivo bancário e a obtenção de condições de “pricing” mais favoráveis.

Os capitais próprios ascenderam, no trimestre em apreço, a 66.465,8 milhares de euros e correspondem a 53% dos capitais totais aplicados na empresa (ativos), que compara com 51% em 2018.

O rácio dívida líquida/capitais próprios (incluindo subsídios) situou-se em 0,53, abaixo do período homólogo do ano passado (0,60) e inferior ao previsto no plano para este ano (0,54).

O resultado líquido do período em análise ascendeu ao montante de 2.097,8 milhares de euros, acima do segundo trimestre de 2018 em 17,4 milhares de euros (+0,8%).

Neste segundo trimestre, o EBITDA ascendeu a 4.793,6 milhares de euros, sendo de sublinhar que esta evolução se encontra impactada pelo reconhecimento de imparidades em dívida a receber de clientes. Expurgando este impacto, o EBITDA teria registado um aumento, face ao período homólogo do ano anterior, no montante de 222,7 milhares de euros (+4,6%). Quanto ao EBIT, ascendeu a 2 888,5 milhares de euros.

Deste modo, a MARB, SA apresenta margens operacionais positivas de 70% e 39%, respetivamente ao nível do EBITDA e do EBIT. Já no que se refere a gastos operacionais, situam-se abaixo do planeado em 104,5 milhares de euros (-5,3%).

O primeiro semestre foi marcado por um significativo conjunto de investimentos públicos e privados, que, acompanhando o bom desempenho da economia, permitem, por um lado, a reabilitação de espaços com quase duas décadas de uso contínuo e, por outro, o crescimento de negócios já ali alocados. Destacam-se, assim, investimentos privados nas áreas agro-alimentar e dos transportes e logística, de que são exemplo as novas instalações de processamento de produto e aprovisionamento da Frutorbel, em execução, e o novo entreposto logístico da Torrestir, já contratado e com obra a iniciar em breve.

A estes dois projetos privados, que significam um investimento superior a seis milhões de euros, juntam-se várias intervenções da MARL, SA, designadamente na reparação de pavimentos, câmaras de frio e zonas técnicas e reparação dos foles de estanquicidade do Pavilhão do Pescado, melhoria das coberturas, com substituição integral das telas, em mais três pavilhões destinados ao agroalimentar, e, ainda, investimentos programados ao nível da recolha de resíduos, da requalificação dos espaços verdes e do estacionamento.

Para Rui Paulo Figueiredo, CEO do Grupo SIMAB e presidente do Conselho de Administração da MARL, SA, a dinâmica de investimentos em curso resulta em muito do planeamento estratégico a seu tempo definido, que permitiu, desde logo, identificar as áreas de crescimento. “A rede pública de mercados abastecedores atravessa um bom momento em termos de crescimento dos seus rendimentos; tal como acontece no MARL, também em Faro e Évora estão contratados novos investimentos e, ainda há poucos meses, em Braga, construímos e concessionámos um grande espaço para um projeto prioritário nacional da Rangel e da Bosch“, conclui.

Samsung apresenta o relógio inteligente Galaxy Watch Active2

Nestlé cresce na Indonésia