in ,

Marcas sem marca vão afirmar-se em 2020

Foto Shutterstock

As marcas nunca foram tanto e tão pouco importantes como nos dias de hoje, pode concluir-se a partir de uma recente pesquisa da eMarketer.

Por um lado, a crescente popularidade do ‘direct to consumer’ ilustra o valor da diferenciação, da inovação de produto e da resposta às novas necessidades dos consumidores”, afirma Andrew Lipsman, analista principal na eMarketer e autor do estudo “The Future of Retail 2020: 10 Trends that Will Shape the Year Ahead”. “Simultaneamente, os consumidores de hoje procuram por valor, e não estão necessariamente ligados a nenhuma marca em particular, ou têm alguma afinidade com o retalhista em detrimento das marcas quando”.

No retalho físico, os operadores que abrem o maior número de novas lojas vão de encontro a esta dinâmica sem marca. De acordo com um estudo do IHL Group, muitos dos retalhistas no topo da lista são operadores de discount, sustentados nas suas marcas próprias.

A Brandless, um fornecedor online de produtos de mercearia, cuidados pessoais e produtos para a casa, direcionou a sua marca para os consumidores digitais, que preferem produtos que contém menos ingredientes e, particularmente, favorecem a sua naturalidade. Estes shoppers têm uma nova visão sobre as marcas e não possuem qualquer afinidade com aquelas com que conviveram enquanto cresceram. “A mentalidade do consumidor está a mudar. As pessoas não são anti marca, mas sim anti aquilo que costumava ser”, defende Aaron Magness, CMO da Brandless.

Esta mudança no sentimento para com as marcas está a criar novas oportunidades para a emergência de marcas próprias não convencionais. “As marcas da distribuição costumavam ser sinónimo de preço, ingredientes de menor qualidade. Hoje, as marcas sem marca estão a mudar essa noção no sentido de melhor qualidade ao melhor valor”, reforça Andrew Lipsman.

Publicidade

Publicidade

Surto do coronavírus ameaça cadeia de abastecimento global

Marca portuguesa de snacks Bean’Go chega ao mercado