in

Marcas de moda lutam contra os custos crescentes da cadeia de fornecimento

Com a época festiva a aproximar-se, as marcas de moda estão a testemunhar um aumento nos custos de produção e envio de roupas e muitas  começaram a transferir parte do mesmo para os consumidores. No entanto, a GlobalData alerta que as marcas de moda não devem ser tão rápidas em passar os custos para o cliente, num momento em que o rendimento é muito curto para muitos.

Hannah Abdulla, Apparel Correspondent da GlobalData, comenta que, “numa altura em que as marcas de moda começavam a recuperar após a pandemia de Covid-19, estão agora a ver a sua rede de fornecimento ser levada ao limite. Muitas marcas e retalhistas estão a enfrentar uma série de problemas relacionados com a cadeia de fornecimento, desde atrasos no embarque até à escassez de motoristas e ao aumento de preços das transportadoras. Sem falar nas novas ondas do vírus que forçam o encerramento de fábricas na Ásia”.

A JoJo Maman Bebe é um desses retalhistas que aumentou o preço dos seus produtos, pela primeira vez, em cinco anos, lutando contra os custos de envio, que quadruplicaram nos últimos meses. Embora tenha absorvido parte do aumento dos custos, a marca afirma que não teve escolha a não ser transferir outra parte dos mesmos para os consumidores.

 

Natal

O British Retail Consortium também alertou que os custos crescentes em toda a cadeia de abastecimento estão a começar a refletir-se nos preços dos produtos, algo mais evidente à medida que o Natal se aproxima.

Muitas pessoas aproveitaram a oportunidade de viajar – um luxo que perderam por mais de um ano – assim que receberam luz verde para o fazer. Dado o ‘timing’, estão provavelmente a voltar da viagem com foco em reavaliar os seus orçamentos e ver o que está disponível para gastar no Natal e no Dia de Ação de Graças. Os problemas que estão a ocorrer na cadeia global de abastecimento de vestuário são significativos, não há motivo para subestimá-los. No entanto, é crucial que as marcas de moda reconheçam que são problemas de curto prazo e que medidas drásticas não devem ser tomadas para aumentar os preços num momento em que os clientes estarão mais sensíveis a uma subida. Se o fizerem, podem perder clientes para os concorrentes que oferecem o mesmo ou semelhante a preços mais baixos“, assegura Hannah Abdulla.

Publicidade

AEP

AEP regressa ao Dubai com o sector da construção

Galp

Galp reforça aposta na mobilidade elétrica em Portugal