in

Internet das Coisas pode gerar entre 4,8 e 11,1 biliões de euros em 2030

Foto Shutterstock

O valor económico da Internet das Coisas (IoT) pode atingir entre 4,8 e 11,1 biliões de euros, a nível global, em 2030. Esta é uma das principais conclusões do estudo “The Internet of Things: Catching up to an accelerating opportunity”, desenvolvido pela McKinsey & Company, que consiste numa análise do potencial crescimento da IoT na próxima década e os fatores que o explicam.

Os resultados do estudo revelam que o potencial valor económico da IoT está concentrado em certos contextos onde estas soluções são implementadas, tais como em escritórios, fábricas, casas, nas áreas da saúde, retalho, entre outras.  Estima-se que as fábricas representarão cerca de 26% do potencial valor económico da IoT, em 2030, seguindo-se a área da saúde, representando cerca de 10% a 14% deste valor. As aplicações B2B são onde a maioria do valor da IoT pode ser gerado, com cerca de 65% do valor potencial estimado, em 2030.

No ambiente doméstico, a adoção e o impacto de soluções de IoT cresceram rapidamente. Considerando as tendências atuais, prevê-se uma aceleração na adoção destas soluções nos locais de trabalho. Por outro lado, a criação de valor nas fábricas, retalho e veículos está a progredir mais lentamente do que o esperado.

Embora a IoT demonstre um potencial económico significativo, a sua captura provou ser um desafio, particularmente em cenários B2B. O valor capturado em 2020 de 1,4 biliões de euros, embora significativo, representa um dos cenários menos otimistas mapeados em 2015 pela consultora.

 

Fatores positivos com influência no crescimento

De acordo com o relatório, os utilizadores veem um valor real na implementação da IoT, reconhecendo-a como facilitadora da transformação digital e dos esforços de sustentabilidade em curso nas empresas e instituições públicas, em todo o mundo.

Além disso, nos últimos cinco anos registaram-se avanços notáveis na tecnologia, que permitem a implementação à escala da IoT. Considerando que as redes atuam como espinha dorsal da IoT, a melhoria da performance da conectividade também funciona como estímulo para a aceleração da adoção e impacto destas soluções.

 

E os negativos?

Contudo, existem também alguns fatores com impacto negativo no crescimento da IoT: gestão da mudança, interoperabilidade, instalação, cibersegurança e privacidade.

As empresas e os governos tratam frequentemente, a IoT como um projeto tecnológico e não como uma transformação do modelo operacional, o que significa que acaba por ser liderada pelo departamento de TI, sem ter em conta as mudanças necessárias nos processos de governação, talento e gestão de desempenho.  Captar valor à escala exige a colaboração de atores multifuncionais para mudar o comportamento, sistemas e processos das pessoas,e introduzir uma gestão dinâmica do desempenho.

Para além disso, resolver os desafios de interoperabilidade é fundamental para desbloquear o potencial económico da IoT. O panorama da IoT ainda é constituído por diversos sistemas fechados, em vez de sistemas universais, impedindo a integração e capacidade destas soluções usarem e trocarem informação entre si.  Um dos principais desafios no panorama da IoT é também a ligação entre sistemas informáticos mais antiquados, obstáculo que impede muitas entidades de alcançar impacto à escala.

A instalação é vista, também, como uma das maiores questões de custos na implementação de soluções de IoT em escala. Os desafios da interoperabilidade significam que quase todas as implementações à escala requerem personalização, se não uma solução inteiramente à medida. A complexidade de tarefas aparentemente simples, tais como a obtenção de conectividade segura, a adaptação de dispositivos antigos e a ligação a sistemas existentes, desencoraja a implementação em escala.

Existe, ainda, uma preocupação crescente com a cibersegurança no que respeita à IoT, uma vez que o número crescente de “endpoints” oferece pontos vulneráveis para os hackers explorarem. A resposta a este desafio exige uma atenção redobrada à segurança ao longo do processo de implementação das soluções de IoT.

Finalmente, a privacidade é, hoje em dia, uma prioridade de muitos consumidores. As empresas estão a debater-se com os dados que os clientes estão dispostos a fornecer em troca de preços mais baixos ou ofertas especiais num contexto de retalho.

Estes desafios devem ser endereçados através de um esforço concertado entre decisores políticos, investidores, fornecedores e até clientes, para que seja possível criar escala rapidamente e alcançar o potencial máximo das soluções da IoT.

Publicidade

Equipa Mercadona Portugal

Comité de direção da Mercadona define subida de 2,7% no salário da equipa

Comércio mundial

Comércio mundial alcançou os níveis pré-pandemia em 2021