in

Facebook é a rede social que os portugueses mais estão a abandonar

Foto Bloomicon/Shutterstock.com

O Facebook é a rede social que os portugueses mais estão a abandonar. De acordo com os dados da última edição do estudo “Os Portugueses e as Redes Sociais”, produzido pela Marktest, um em cada quatro utilizadores de redes sociais que assumiu ter abandonado alguma destas plataformas, no último ano, referiu o Facebook como a rede que deixou de utilizar.

Os resultados do estudo referem que o volume de inquiridos que diz ter deixado de usar alguma rede social se situa nos 19,6%, o que representa um acréscimo de 2,5 pontos percentuais face aos 17,1% de portugueses com perfis em redes sociais que assumiam, em 2020, ter abandonado alguma rede.

Na discriminação das redes abandonadas ao longo do último ano, a seguir ao Facebook, o top 5 de plataformas mais citadas pelos inquiridos inclui ainda o Snapchat (25,2%), o Twitter (17,7%), o LinkedIn (15,1%) e o Pinterest (14,2%).

 

Falta de interesse

A falta de interesse foi o principal motivo apontado pelos inquiridos (36,8%) para justificar a decisão de abandonar estas redes sociais. A falta de tempo e o pouco uso que já antes davam às redes sociais abandonadas foram outras das razões mais referidas.

Recorde-se que, embora seja a rede social com mais abandonos, o Facebook continua a ser a que conta com mais utilizadores em Portugal: 93,4% dos utilizadores de redes sociais afirma ter perfil criado no Facebook.

A edição de 2021 do estudo concluiu também que os portugueses têm, em média, contas criadas em seis redes sociais, ou seja, mais do dobro da média que se verificava em 2011, quando a Marktest começou a produzir este estudo.

Este registo confirma o crescimento exponencial do hábito de uso de redes sociais em Portugal, que ganha ainda maior volume entre os mais jovens, onde sobe para nove a média de redes onde os utilizadores dizem ter perfil criado.

Publicidade

Garland Centro Logístico Abóboda

Garland cria departamento de sustentabilidade

Recessão

Empresas portuguesas resilientes face à pandemia